À ONU, governo Bolsonaro admite que Glenn não cometeu crime durante a Vaza Jato

Apesar de Jair Bolsonaro ter dito que Glenn "pegaria cana" pela Vaza Jato, o governo disse à ONU que "não se tem notícias de nenhum ato ou procedimento que caracterize qualquer violação a direitos dos jornalistas, incluindo-se cerceamento a sua liberdade de expressão ou ao exercício da atividade jornalística"

Glenn Greenwald
Glenn Greenwald (Foto: Alessandro Dantas/PT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Representantes do governo Jair Bolsonaro encaminharam uma carta confidencial à ONU admitindo que o jornalista do The Intercept Brasil Glenn Greenwald não cometeu crime durante a Vaza Jato, segundo informações exclusivas do jornalista Jamil Chade, no UOL

Vaza Jato é como ficou conhecida a série de reportagens de Glenn que revelavam conversas entre os procuradores da Operação Lava Jato e o ex-juiz da força-tarefa Sergio Moro.

A ONU, por meio de dois relatores internacionais, cobrou explicações sobre possíveis ataques e pressões que estariam sendo feitas sobre o Glenn Greenwald. Jair Bolsonaro havia dito, inclusive, que o jornalista "pegaria cana" por fazer seu trabalho.

No dia 7 de abril de 2020 o governo brasileiro respondeu à ONU afirmando que investigava a prática de "crimes cibernéticos por grupo suspeito de ter obtido ilicitamente informações pessoais alheias", e que tal grupo teria invadido dados de autoridades dos três poderes da República.

Todavia, o governo reconheceu que Glenn Greenwald, ao receber e publicar o material colhido por meio de invasões cibernéticas, segundo o governo, não teria cometido nenhum ato ilícito. "Isso não obstante, a PF considerou não ter havido a participação moral ou material de Glenn Greenwald nos crimes investigados, motivo pelo qual não o indicou e tampouco adotou qualquer medida persecutória em seu desfavor. Logo, não foi atribuído ao jornalista qualquer tipo de responsabilidade criminal".

O governo brasileiro também negou que tenha sido feita pressão sobre o jornalista. "No âmbito das investigações policiais, não se tem notícias de nenhum ato ou procedimento que caracterize, ainda que em tese, qualquer violação a direitos do jornalista Glenn Greenwald, incluindo-se cerceamento a sua liberdade de expressão ou ao exercício da atividade jornalística".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247