CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mídia

Ex-âncora da Record processa emissora por assédio moral

Daiane Bombarda diz ter sido vítima de assédio moral por ganhar peso após engravidar

Imagem Thumbnail
Daiane Bombarda (Foto: Reprodução | Record News)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A jornalista Daiane Bombarda, que comandou jornais da Record News como Link Pop, Jornal da Record 24h, Hora News e Mundo Meio Dia, está processando a emissora por assédio moral e pede R$1,1 milhão em indenização. Ela afirma ter sido vítima de assédio depois de engravidar, em 2019.

Em depoimento ao F5, Daiane disse que os episódios de assédio começaram quando ela retornou do período de licença-maternidade. Como a jornalista ganhou peso por conta da gravidez, a Record News determinou que ela usasse roupas maiores para esconder um suposto excesso de peso. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Você tem que estar: bonita, apresentável e não errar”, teria dito Moisés Lucena, atual gerente geral da Record News. Segundo Daniane, foi Moisés quem a assediou moralmente no trabalho. “Teve vez de eu ter que trocar minha roupa porque falaram que a que eu usava me deixava ainda mais gorda. Por vezes, tinha que mandar foto vestindo a roupa antes de entrar no estúdio para o celular do chefe para ele dar a aprovação”, disse a jornalista ao F5.

Daniane também relatou que o assédio teve uma série de consequências na sua saúde física e mental. Ela foi diagnosticada com burnout, se afastando por 15 dias do trabalho, e decidiu tomar uma medicação que prometia a perda de cinco quilos em uma semana. Em março de 2020, fez uma otoplastia, uma cirurgia para melhorar a condição das orelhas, que também eram alvo de críticas de integrantes da emissora. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em junho de 2020, Daiane chegou a ter um mal-estar súbito antes de apresentar uma edição do Record News Rural e, após um novo afastamento de 90 dias, decidiu ir à justiça contra a emissora. O advogado da jornalista protocolou no último dia 27 de maio um documento em que pede que Ministério Público do Trabalho o relato de uma testemunha que diz ter presenciado os assédios.

A Record diz que não vai comentar o caso. Já Moises Lucena não respondeu às tentativas de contato realizadas pelo F5.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO