Reinaldo Azevedo: Fachin reage a tuíte do general Villas Bôas com três anos de atraso

À época, mesmo diante da ameaça do Exército feita pelo Twitter, o ministro do STF votou para Lula permanecer na cadeia, lembra o jornalista

Reinaldo Azevedo e Edson Fachin
Reinaldo Azevedo e Edson Fachin (Foto: Reprodução | STF)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo cobrou o ministro do STF Edson Fachin por ter se manifestado com três anos de atraso sobre a ameaça do Exército, através do general Villas Bôas, para que o ex-presidente Lula não deixasse a prisão e consequentemente, não participasse da disputa presidencial em 2018.

“Não é que, quase três anos depois do famoso tuíte do general Eduardo Villas Bôas, então comandante do Exército, que deu um ultimato ao Supremo para manter Lula na cadeia, o homem decidiu considerar a coisa ‘intolerável e inaceitável’?”, ironizou Reinaldo.

À época, mesmo diante da ameaça do Exército feita pelo Twitter, o ministro do STF votou para Lula permanecer na cadeia, lembra o jornalista. “Vale dizer: Fachin e outros cinco — o placar foi seis a cinco — negaram o habeas corpus a Lula e a outros contra o que dispõem a Carta e o CPP”, recorda.

PUBLICIDADE

Reinaldo agora cobra para que Fachin mude o futuro: “Não faça justiça pretérita, doutor! O senhor tem em mãos questões presentes e futuras”. “Faça a coisa certa com o que tem conserto. Com aquilo que não tem, pode ser até prova de rigor intelectual. Mas também pode ser apenas um outro nome para a covardia”, escreve ainda.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email