Trump vai à Suprema Corte para interromper contagem na Pensilvânia e juiz manda separar votos

Atendendo a pedido do partido Republicano, o juiz da Suprema Corte Samuel Alito determinou que os votos pelo correio recebidos após 3 de novembro sejam contados paralelamente. A decisão, no entanto, não interrompe a contagem dessas cédulas, como queria Donald Trump

Votos são contabilizados durante a eleição presidencial dos EUA, na Filadélfia, Pensilvânia
Votos são contabilizados durante a eleição presidencial dos EUA, na Filadélfia, Pensilvânia (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Suprema Corte americana determinou que todas as cédulas de votação enviadas por correio que chegarem após o dia da eleição, na terça-feira, 3, devem ser contadas separadamente, após pressão da campanha do candidato à reeleição Donald Trump.

A decisão do juiz da Suprema Corte Samuel Alito na noite desta sexta-feira (6), no entanto, não interrompe a contagem dessas cédulas, como queriam os republicanos.

O estado já havia orientado que a contagem separada fosse adotada, mas a campanha dos republicanos fez pressão por causa dos votos que o candidato democrata, Joe Biden, tem recebido no estado. Trump, que liderava no estado até a quinta-feira, 5, foi ultrapassado por Biden nesta sexta-feira, 6.

Para Trump, as cédulas que chegarem após o dia 3 de novembro, quando as urnas foram fechadas, não deveriam entrar na contagem, pois seriam “fraudadas”. O voto por correio, porém, foi adotado por conta da pandemia do coronavírus. Cerca de 65 milhões de pessoas votaram à distância - o que corresponde a mais ou menos 40% do total.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247