Bolsonaro tenta convencer ter 'canal aberto' com EUA: 'se for o caso, ligo para o Trump'

Frase foi dita por Jair Bolsonaro depois do anúncio feito pelo presidente dos Estados Unidos, nesta manhã, de que irá tarifar importação de aço e alumínio do Brasil e da Argentina

Bolsonaro recebe os cumprimentos de Donald Trump.
Bolsonaro recebe os cumprimentos de Donald Trump. (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mesmo depois de ter sido prejudicado na tomada de decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anunciou na manhã desta segunda-feira 2, pelo Twitter, que irá tarifar a importação de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, Jair Bolsonaro ainda tenta convencer ter 'canal aberto' com Trump, com quem tem relação de submissão.

"Vou conversar com Paulo Guedes (ministro da Economia). Se for o caso, ligo para o Trump. Tenho um canal aberto com ele", disse Bolsonaro ao ser questionado sobre o tema. "Converso com Paulo Guedes e depois dou a resposta. Para não ter de recuar, tá ok?", completou.

A própria decisão de Bolsonaro, no entanto, já comprova que não existe "canal aberto" e que a relação de subserviência não traz retorno benéfico ao Brasil.

Nas postagens, Trump também pediu que o Federal Reserve impeça que países tomem vantagem de um dólar mais forte, desvalorizando suas moedas. “Juros menores e afrouxamento-Fed!”, escreveu ele no Twitter.

"A desvalorização não é boa para os nossos fazendeiros", disse o chefe da Casa Branca, acrescentando que o que vem acontecendo com as moedas locais frente ao dólar causa dificuldades para as exportações americanas. "FED precisa agir para que países não tirem vantagem de nosso dólar forte", completou. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247