FBI investiga Trump por violar lei de espionagem e obstrução de Justiça

Registros feitos pelo Tribunal da Flórida indicam que foi apreendido um número significativo de documentos ultrassecretos na residência do ex-presidente Donald Trump

www.brasil247.com - Ex-presidente dos EUA Donald Trump
Ex-presidente dos EUA Donald Trump (Foto: REUTERS/Gaelen Morse)


Sputnik Brasil - A operação de busca e apreensão realizada pelo FBI na residência do ex-presidente norte-americano Donald Trump em Mar-a-Lago, na Flórida, não envolve o episódio da invasão do Capitólio, segundo o mandado de busca e apreensão que foi tornado público nesta sexta-feira (12).

Conforme noticiou o site POLITICO, o mandado de busca contra Trump revela que a investigação contra o ex-presidente envolve uma possível violação da lei de espionagem, remoção ou destruição de registros e obstrução de uma investigação.

Registros feitos pelo Tribunal da Flórida indicam que foi apreendido um número significativo de documentos ultrassecretos na residência do ex-presidente. O republicano, por sua vez, alega que todos o material encontrado era de conhecimento público.

"Número um, tudo foi desclassificado. Número dois, eles não precisavam 'apreender' nada. Eles poderiam tê-lo a qualquer momento sem precisar fazer política e invadir Mar-a-Lago", disse o ex-presidente.

O juiz federal Bruce Reinhart, da Flórida, decidiu levantar o sigilo do mandado nesta sexta-feira (12) após solicitação do Departamento de Justiça dos EUA.

O pedido, assinado em 5 de agosto, autorizou a incursão na residência de Trump até 19 de agosto diante da investigação sobre possível violação da lei de espionagem. O FBI foi à Mar-a-Lago na última segunda-feira (8).

FBI removeu documentos ultrassecretos da casa de Trump, diz Departamento de Justiça

(Reuters) - Agentes do FBI que revistaram a casa do ex-presidente Donald Trump em Mar-a-Lago, na Flórida, nesta semana, removeram 11 conjuntos de documentos confidenciais, incluindo alguns marcados como ultrassecretos, disse o Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta sexta-feira, ao mesmo tempo em que divulgou que há uma causa provável para crer que ele violou a Lei de Espionagem.

As revelações bombásticas foram feitas em documentos legais divulgados quatro dias depois que agentes do FBI realizaram a busca na residência de Trump com base em um mandado aprovado por um juiz federal.

O Departamento de Justiça disse ao juiz magistrado dos EUA Bruce Reinhart em seu pedido de mandado que tinha motivos prováveis ​​para acreditar que Trump violou a Lei de Espionagem, uma lei federal que proíbe a posse ou transmissão de informações de defesa nacional.

Agentes do FBI levaram mais de 30 itens, incluindo mais de 20 caixas, pastas de fotos, uma nota manuscrita e a concessão executiva de clemência para o aliado de Trump e conselheiro de longa data, Roger Stone, mostrou uma lista de itens removidos da propriedade. Também foram incluídas na lista informações sobre o "Presidente da França".

"Top secret" é o nível mais alto de classificação, reservado para as informações de segurança nacional mais fechadas do país. Geralmente é mantido em instalações especiais do governo porque sua divulgação pode causar sérios danos à segurança nacional.

Várias leis federais proíbem o manuseio incorreto de material confidencial, incluindo a Lei de Espionagem, bem como outro estatuto que proíbe a remoção e retenção não autorizadas de documentos ou materiais confidenciais. Trump aumentou as penas para isso enquanto estava no cargo, tornando-o um crime punível com até cinco anos de prisão.

Mais cedo na sexta-feira, Trump negou uma reportagem do Washington Post de que a busca do FBI em sua casa em Mar-a-Lago era para possíveis materiais confidenciais relacionados a armas nucleares, escrevendo em sua conta de mídia social que a "questão das armas nucleares é uma farsa".

A Reuters não pôde confirmar imediatamente a reportagem do Washington Post. O procurador-geral Merrick Garland se recusou a detalhar publicamente a natureza da investigação.

A busca na casa de Trump na segunda-feira marcou uma escalada significativa em uma das muitas investigações federais e estaduais que ele está enfrentando desde seu tempo no cargo e em negócios privados, incluindo uma separada pelo Departamento de Justiça sobre uma tentativa fracassada dos aliados de Trump de derrubar a eleição presidencial de 2020 apresentando falsas listas de eleitores.

Garland anunciou na quinta-feira que o departamento havia pedido a Reinhart para abrir o mandado que autorizava a busca do FBI em Mar-a-Lago. Isso ocorreu após uma alegação de Trump de que a busca era uma retaliação política e uma sugestão dele, sem evidências, de que o FBI pode ter plantado evidências contra ele.

Os advogados de Trump sinalizaram na tarde de sexta-feira que não se oporão a que o mandado de busca para sua residência na Flórida seja aberto ao público, disse o Departamento de Justiça em um processo judicial, indicando que a abertura pode ocorrer em breve.

Reinhart impôs uma proibição às 15h. EDT (1900 GMT) para que os promotores o informem se a equipe jurídica de Trump se oporá à liberação do mandado.

'Liberem os documentos'

Na noite de quinta-feira, Trump divulgou um comunicado nas redes sociais dizendo que não pretendia se opor à sua liberação.

"Liberem os documentos agora!" escreveu Trump.

A investigação sobre a remoção de registros de Trump começou este ano, depois que a Administração Nacional de Arquivos e Registros, uma agência encarregada de proteger os registros presidenciais que pertencem ao público, fez uma referência ao departamento.

Na sexta-feira, membros republicanos do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados dos EUA pediram a Garland e ao diretor do FBI, Chris Wray, que divulgassem o depoimento que sustenta o mandado, dizendo que o público precisa saber.

"Como muitas outras opções estavam disponíveis para eles, estamos muito preocupados com o método usado na invasão de Mar-a-Lago", disse o deputado Michael Turner, principal republicano do comitê, a repórteres.

Se a declaração permanecer selada, "ainda deixará muitas perguntas sem resposta", acrescentou Turner.

Em fevereiro, o arquivista dos Estados Unidos David Ferriero disse aos legisladores da Câmara que sua agência esteve em comunicação com Trump ao longo de 2021 sobre a devolução de 15 caixas de registros. Ele finalmente os devolveu em janeiro de 2022.

Na época, o Arquivo Nacional ainda estava realizando um inventário, mas observou que algumas das caixas continham itens "marcados como informações confidenciais de segurança nacional". Trump confirmou anteriormente que havia concordado em devolver certos registros aos Arquivos, chamando-o de "um processo comum e rotineiro". Ele também afirmou que os Arquivos "não 'encontraram' nada".

Desde a busca de segunda-feira, o Departamento de Justiça enfrentou críticas ferozes e ameaças online, que Garland condenou. Os partidários de Trump e alguns de seus colegas republicanos em Washington acusaram os democratas de armar a burocracia federal para atingi-lo, enquanto ele pondera outra candidatura à presidência em 2024.

Em outro assunto, Trump se recusou na quarta-feira a responder perguntas durante uma aparição perante o procurador-geral do estado de Nova York em uma investigação civil sobre as práticas comerciais de sua família, citando seu direito constitucional contra a autoincriminação.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email