Juristas alertam a ONU 'para uma campanha sem precedentes de Bolsonaro contra as Cortes brasileiras'

O documento apontou que Jair Bolsonaro 'aposta na desinformação e em uma agenda autoritária para uma campanha sem precedentes de ameaças' contra cortes superiores no Brasil

www.brasil247.com - Planalto e o símbolo da ONU
Planalto e o símbolo da ONU (Foto: Pedro França/Agência Senado | Reuters)


247 - Oitenta professores e juristas brasileiros enviaram um documento ao relator especial para a Independência de Juízes e Advogados da Organização das Nações Unidas (ONU), Diego Garcia, que recebeu o ofício na noite dessa terça-feira (17) com alertas para "uma campanha sem precedentes de desconfiança e ameaças" contra cortes superiores no Brasil. Pesquisadores destacaram que Jair Bolsonaro (PL) "tem investido fortemente para deslegitimar as eleições". O teor do texto foi publicado nesta quarta-feira (18) pela coluna de Mônica Bergamo

De acordo com o texto, a independência judicial no Brasil enfrenta desafios não vistos desde a redemocratização pós-ditadura militar (1964-1985).  "Bolsonaro testa os limites das instituições, incentivando seus apoiadores a agir contra os tribunais e seus juízes, erodindo o apoio às instituições de uma forma que fortalece sua própria agenda iliberal e autoritária", acrescentaram. "Bolsonaro tem apoiado a desinformação e as falsas acusações de fraudes nas eleições de 2018, mesmo que ele próprio tenha sido o vencedor".

O documento apontou que "fomentar uma crise institucional permanente tem sido a estratégia de Bolsonaro para evitar checagens judiciais e eleitorais sobre o seu poder, gerando desconfiança e prejudicando a legitimidade institucional de uma forma que pode perdurar mesmo após as eleições de 2022". "Mesmo que o atual governo seja derrotado nas urnas, é preciso tomar medidas para combater os ataques ao Judiciário, pois as narrativas e a influência do governo certamente irão superar a eleição", afirmaram os pesquisadores. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Ele tem afirmado repetidamente —sem nunca fornecer nenhuma evidência— que o sistema de votação eletrônica que o país adotou nos anos 1990 está aberto à manipulação deliberada", afirmam os pesquisadores. "Aqueles que acreditam que a democracia no Brasil está suficientemente garantida e protegida e que as instituições estão perfeitamente funcionando estão enganados. Não é exatamente fácil ver quando a linha entre democracia e ditadura foi atravessada, e o Brasil pode estar cruzando essa linha nos próximos meses", continuaram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ofício foi elaborado pelo Observatório para Monitoramento dos Riscos Eleitorais no Brasil (Demos), integrado por pesquisadores do direito e da ciência política como Clara Iglesias Keller, Diego Werneck Arguelhes, Estefânia Emílio Peluso Neder Meyer e Maria de Queiroz Barboza.

Mais alertas no exterior

As ameaças de Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro têm tido reações fora do Brasil. Indicada para ser a nova embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Elizabeth Bagley, 69 anos, afirmou nesta quarta-feira (18) que a sociedade brasileira tem "todas as instituições democráticas para realizar eleições livres e justas".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governo Joe Biden recebeu, em abril, um dossiê alertando para os ataques ao sistema eleitoral brasileiro. Um relatório entregue a políticos norte-americanos apontou que Bolsonaro e seus aliados podem estar preparando uma "versão provavelmente mais extrema" do Capitólio no Brasil. 

O ataque do Capitólio aconteceu em janeiro de 2021, quando Donald Trump perdeu a eleição. O então presidente norte-americano acusou o sistema eleitoral do seu país de ser fraudulento.

O dossiê enviado a membros do governo Biden afirmou que os "constantes ataques (de Bolsonaro) às eleições devem levar governos internacionais a apoiar a democracia brasileira".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email