CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Líder dos conservadores franceses sugere aliança eleitoral com a extrema direita e é criticado

"Falamos as mesmas coisas, então vamos parar de inventar oposições imaginárias", disse Éric Ciotti, se aproximando do Rassemblement National (RN), de Marine Le Pen

Imagem Thumbnail
Eric Ciotti (Foto: Reuters/Eric Gaillard)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - O líder dos Republicanos, partido conservador da França, pediu na terça-feira uma aliança entre os candidatos do seu partido e o partido de extrema direita Rassemblement National (RN) para as eleições parlamentares antecipadas - uma mudança política que terá amplas repercussões.

"Falamos as mesmas coisas, então vamos parar de inventar oposições imaginárias", disse Éric Ciotti à TF1. "É isso que a vasta maioria dos nossos eleitores quer. Eles nos dizem 'façam um acordo'."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O Rassemblement National (RN), de Marine Le Pen, conhecido por suas posições anti-imigração e eurocéticas, é amplamente esperado como a força mais forte após o presidente Emmanuel Macron convocar inesperadamente eleições antecipadas para os dias 30 de junho e 7 de julho, embora possa não alcançar a maioria absoluta.

O RN, portanto, estava em busca de aliados para garantir o controle do parlamento e imediatamente aplaudiu o comentário de Ciotti. Mas isso, por sua vez, significa que os Republicanos (LR) provavelmente vão implodir.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os comentários de Ciotti também significaram que o consenso de décadas no establishment político francês de se unir para manter a extrema direita longe do poder estava se desmoronando.

Os Republicanos, e suas versões anteriores - todos herdeiros dos partidos de Charles de Gaulle e Jacques Chirac - estiveram no poder por grande parte da história política moderna da França.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas o LR é uma sombra do que foi, com muito menos parlamentares, e já havia perdido membros importantes para o partido centrista de Macron e para a extrema direita.

Outros partidos tradicionais, à esquerda e à direita, também ficaram mais fracos desde que Macron foi eleito presidente em 2017 com uma plataforma que não se identificava nem com a esquerda nem com a direita, e um partido emergente que queria reformular o cenário político francês.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Philippe Gosselin, deputado do LR, disse à Reuters que deixaria o LR por causa dos comentários de Ciotti e que os parlamentares do LR formariam um novo grupo.

"É impensável para mim (e para muitos deputados do LR) que possa haver o menor acordo, a menor aliança, mesmo que local ou pessoal, com o RN", disse Gosselin.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Outros veteranos do LR se alinharam para rejeitar qualquer acordo com a extrema direita. Uma fonte parlamentar do LR estimou que apenas cerca de um sexto dos deputados do LR aceitariam tal acordo.

Olivier Marleix, que lidera o grupo LR na câmara baixa do parlamento, disse no X (antigo Twitter): "O que Éric Ciotti está dizendo é válido apenas para ele mesmo, ele deve deixar a liderança dos Republicanos."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Dividido

O grupo de Macron foi rápido em considerar os comentários de Ciotti como vergonhosos e, segundo o ministro do Interior, Gérald Darmanin, ex-membro do LR, reminiscente dos acordos de Munique de 1938 assinados pela França e pela Grã-Bretanha com a Alemanha nazista.

Todos os partidos políticos franceses estão correndo para encontrar alianças - e tentando não se desintegrar - desde que Macron anunciou a eleição antecipada após o fraco desempenho de seu partido Renaissance nas eleições para o Parlamento Europeu no domingo.

Os partidos de esquerda da França, divididos, prometeram trabalhar juntos e nomear candidatos conjuntos nas eleições, mas ainda não firmaram um acordo formal.

O euro caiu, assim como as ações e os títulos franceses, após o anúncio de Macron.

A agência de classificação Moody's alertou para o risco de que a instabilidade política desencadeada pela eleição antecipada significasse um desafio adicional para o já difícil quadro fiscal da França.

O RN defende políticas econômicas protecionistas de "França em primeiro lugar" e uma redução radical na imigração. Ele restringiria os benefícios para crianças aos cidadãos franceses e retiraria a residência de migrantes que estejam desempregados por mais de um ano.

O partido também propôs um aumento nos gastos públicos, apesar dos já significativos níveis de dívida francesa, o que ameaça aumentar ainda mais os custos de financiamento nos bancos.

Falando ao Le Figaro, Macron disse que estava determinado a vencer e que convocar a eleição antecipada "foi a decisão certa, no interesse do país" e que isso esclareceria as coisas.

Ele descartou a possibilidade de renunciar, independentemente do resultado da eleição.

O partido de Marine Le Pen ganharia entre 235 a 265 assentos na Assembleia Nacional, um salto enorme em relação aos atuais 88, mas ainda assim aquém dos 289 necessários para uma maioria absoluta, de acordo com a pesquisa da Toluna Harris Interactive para o Challenges, M6 e RTL publicada na segunda-feira.

A mesma pesquisa vê os Republicanos com 40-55 assentos, então os dois combinados podem conseguir uma maioria absoluta, mas sem certeza.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO