Na primeira missa do ano, Papa Francisco pede fim da violência contra as mulheres

"As mulheres são uma fonte de vida. No entanto, são continuamente ofendidas, espancadas, violentadas, induzidas a se prostituir e a eliminar a vida que levam no útero", disse o pontífice em sua homilia

Papa Francisco
Papa Francisco (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na primeira missa celebrada em 2020, o papa Francisco mandou uma mensagem em defesa das mulheres e contra a violência sofrida por elas. Na homilia pronunciada na Basílica de São Pedro, o pontífice pediu o fim da exploração do corpo feminino e denunciou o uso e abuso das mulheres na sociedade moderna, principalmente por meio do "consumismo" e da "pornografia".

"As mulheres são uma fonte de vida. No entanto, são continuamente ofendidas, espancadas, violentadas, induzidas a se prostituir e a eliminar a vida que levam no útero", disse.

Enfatizando que "o renascimento da humanidade começou com as mulheres", o papa argentino afirmou que "toda a violência infligida às mulheres é uma profanação de Deus, nascido de uma mulher". 

"Entendemos nosso nível de humanidade no modo como tratamos o corpo da mulher", acrescentou, lamentando que esse corpo "se sacrifique nos altares profanos da publicidade, do lucro, da pornografia, explorados como uma terra a ser usada". 

"Ele deve ser libertado do consumismo, deve ser respeitado e honrado. Ele é a carne mais nobre do mundo, porque ele concebeu e deu à luz o amor que nos salvou", continuou o pontífice.

Segundo a tradição católica, Jesus Cristo foi concebido e nasceu, embora sua mãe, Maria, fosse virgem. Para o papa, a maternidade costuma ser "humilhada, porque o único crescimento que interessa é econômico".

Francisco, comprometido com a situação dos migrantes, lembrou que muitas mães "correm o risco de embarcar em viagens embaraçosas para tentar desesperadamente dar um futuro melhor ao fruto de suas entranhas". Essas mulheres e seus filhos são geralmente "considerados como números que excedem a cota por pessoas que têm o estômago cheio, mas com coisas e um coração vazio de amor", concluiu.

O papa também pediu desculpas nesta quarta-feira, antes da tradicional oração do Angelus, por ter "perdido a paciência" na noite anterior com uma fiel que apertou com força sua mão. "Muitas vezes perdemos a paciência. Isso acontece comigo também. Peço desculpas pelo mau exemplo dado ontem", disse.

* Com informações da AFP

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247