CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Perfil de Trump em rede social posta vídeo sobre 'criação de Reich Unificado'

Equipe do ex-presidente dos EUA diz que vídeo foi postado inadvertidamente. Campanha de Biden afirma que o conteúdo “prenuncia um segundo mandato de Trump”

Imagem Thumbnail
Ex-presidente Donald Trump em evento de campanha em Freeland, Michigan, EUA (Foto: REUTERS/Brendan McDermid)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O perfil do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump na rede social Truth Social publicou um vídeo de 30 segundos que exibe hipotéticas manchetes de jornal que celebram a possível vitória do ex-mandatário na eleição presidencial estadunidense e que mencionam a criação de um "Reich unificado", seguido pela pergunta: "o que vem a seguir para a América?". Segundo o jornal The New York Times, a campanha de Trump “culpou um funcionário pela publicação do vídeo, mas não removeu o conteúdo imediatamente do ar”.

O vídeo apresenta um estilo reminiscente dos jornais do início do século 20, utilizando supostamente textos reciclados de reportagens sobre a Primeira Guerra Mundial. Entre as referências, encontram-se menções à "força industrial alemã" e "paz através da força", além de afirmar que Trump deportaria 15 milhões de migrantes em um possível segundo mandato. Também há uma sugestão de que o republicano rejeitaria os "globalistas", termo frequentemente usado pela extrema direita e que, segundo acadêmicos, pode carregar conotações antissemitas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A frase "Reich unificado", repetida três vezes no vídeo, traz à mente o regime nazista de Adolf Hitler, conhecido como o "Terceiro Reich". Este termo é associado aos períodos do Sacro Império Romano e do Império Alemão de 1871-1918, que foi desmantelado após a Primeira Guerra Mundial. Hitler utilizou o ressentimento pela perda dos territórios alemães e a animosidade contra os judeus como trampolim para implantar um regime ditatorial.

A campanha de Joe Biden acusou Trump de ecoar a Alemanha nazista ao publicar o vídeo, afirmando nas redes sociais que o conteúdo “prenuncia um segundo mandato de Trump”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em resposta à publicação, a campanha de Trump atribuiu a responsabilidade a um funcionário, alegando que o ex-presidente estava em seu julgamento criminal em Nova York no momento da postagem. Contudo, o vídeo permaneceu disponível na conta de Trump até a noite de segunda-feira (20). Karoline Leavitt, porta-voz da campanha, declarou que o vídeo não era oficial e foi repostado inadvertidamente por um funcionário. "O verdadeiro extremista é Joe Biden", afirmou Leavitt.

Em ocasiões anteriores, Trump já criticou judeus que votam nos democratas, sugerindo que "odeiam sua própria religião e Israel". Em um outro vídeo, ele afirmou que “se o povo judeu vai votar em Joe Biden, terá de ter a cabeça examinada”. Em 2022, Trump jantou com Nick Fuentes, um antissemita declarado e que é apontado um dos principais supremacistas brancos do país.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Ele também tentou minimizar o violento comício da supremacia branca em Charlottesville, Virgínia, em 2017, descrevendo o episódio como ‘uma grande farsa’. Uma mulher morreu e quase 40 pessoas ficaram feridas quando um neonazi confesso atropelou uma multidão com o seu carro”, destaca um trecho da reportagem.

Os planos de Trump para um segundo mandato, que, segundo seus assessores, seria mais radical que o primeiro, têm sido alvo de críticas por ecoar líderes autoritários do passado. Ele desumanizou adversários políticos, chamando-os de "vermes", e prometeu não ser um ditador, "exceto no primeiro dia".

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO