Portugal impõe lockdown na maior parte do país depois de recorde de casos e mortes por Covid-19

Novas restrições já valem a partir deste domingo (1º) e atingem cerca de 70% da população do país

Garçom aguarda por clientes em restaurante no centro de Lisboa durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19) em Portugal
Garçom aguarda por clientes em restaurante no centro de Lisboa durante a pandemia do novo coronavírus (COVID-19) em Portugal (Foto: Rafael Marchante/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, anunciou novas restrições para a maior parte do país em decorrência do aumento de novos casos e mortes de coronavírus.

As medidas vão abranger 121 municípios, incluindo as regiões de Lisboa e Porto, e já valem a partir deste domingo (1º). As regiões afetadas abrigam cerca de 70% da população que vive em Portugal. 

Segundo a rede de TV portuguesa SIC Notícias, outras medidas impostas pelo governo local são: 

- Encerramento de estabelecimentos comerciais a partir das 22h; 

- Restaurantes com grupos limitados a seis pessoas e funcionamento até às 22h30; 

- Eventos e celebrações limitados a cinco pessoas (com exceção do mesmo grupo familiar);

- Home office obrigatório, com exceções.

Portugal registra atualmente 141.279 casos de Covid-19 e 2.507 mortes em decorrência da doença, mas o número de novos casos tem acelerado.

O anúncio de novo lockdown foi feito pouco depois do Reino Unido, que também anunciou neste sábado novas regras de restrições depois de o país ultrapassar 1 milhão de casos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247