Alarme de segurança. FBI sugere tapar a câmera do celular e computador

Diretor do FBI aconselha tapar com fita adesiva a webcam de computadores e celulares, para evitar sermos espionados. Por quem? Como eles fazem isso? Há precedentes confirmados desse risco?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por: Equipe Oásis

Fita adesiva recobre a webcam


Cobrir a webcam do computador com fita adesiva para defender a privacidade? Sim, mas…

Há pouco tempo, James Comey, diretor do FBI Federal Bureau of Investigation, durante uma conferência no Center for Strategic and International Study, reafirmou a importância de cobrir com um pedaço de fita adesiva as câmeras de computadores, telefones celulares e tablets. A providência é necessária para se evitar perigosas e potencialmente embaraçosas invasões da nossa privacidade por parte de pessoas e organizações mal-intencionadas.

A sugestão pode parecer bizarra, mas a posição e o papel de Comey convidam a alguma reflexão. Até porque não só é prática comum obscurecer câmeras de computador em repartições públicas dos Estados Unidos, mas a prática também é seguida por VIPs como Mark Zuckerberg, que costuma adotar essa medida absolutamente artesanal (mas eficaz) para proteger o seu mundo “privado”.

Mark Zuckerberg


Até Mark Zuckerberg, que entende bastante bem de privacidade, cobre a webcam do seu computador com fita adesiva.

Existe realmente alguém nos espionando do (nosso) computador ou telefone celular? Tecnicamente isso é possível.

Antecedentes preocupantes

Em 2010, Blake Robbins, um aluno da Harrington High School, Pensilvânia, processou a escola por tirar, em apenas duas semanas, mais de 400 fotos sem seu conhecimento da webcam do computador que lhe foi atribuído pela escola.

A escola se defendeu afirmando que na verdade todos os laptops confiados aos alunos eram equipados com softwares de segurança, que além de rastrearem sua posição (com GPS), periodicamente tiravam fotos de quem os usava. O objetivo declarado era manter os aparelhos sob controle em caso de roubo. Mas, na verdade, mais de 56 mil fotos foram tiradas de alunos desavisados, muitos deles menores.

Três anos depois, a rainha de um concurso de beleza para estudantes americanas acaba no centro das atenções: uma colega estudante hackeara a webcam de seu computador e tirou várias fotos sem seu conhecimento.

O que eles querem?

Afinal, qual é o sentido de roubar fotos da vida privada de alguém? Aqueles que fazem isso geralmente têm dois motivos: vingança ou dinheiro. No primeiro caso, as imagens mais embaraçosas são publicadas online para prejudicar a vítima; no segundo, é pedido dinheiro para evitar a sua propagação.

Dispositivo para tapar a webcam


Dispositivo já à venda para tapar o olho da câmera do computador ou do celular.

Como os hackers invadem os computadores e smartphones das vítimas? Como você se defende? Na realidade, se alguém consegue assumir o controle de nossos dispositivos é porque de alguma forma o “ajudamos”, mesmo que não conscientemente. Normalmente, os atacantes enviam à vítima um e-mail-isca que contém um link: se clicado, ele instalará em nossa máquina o software que permitirá o acesso à webcam.

O mesmo pode acontecer ao visitar sites de reputação duvidosa, como os pornográficos. Então a solução é fita adesiva? Talvez sim, mas não no longo prazo. Porque mais cedo ou mais tarde usaremos a webcam e esqueceremos de cobri-la, ou alguém encontrará outra forma de violar nossa privacidade.

É necessário, portanto, pesar bem nossos comportamentos, evitando instalar aplicativos que não conhecemos bem em smartphones ou clicar em algum link que passe à nossa frente na tela, sem cuidar da segurança.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247