Conquista do espaço. Osiris-Rex tocou o asteroide Bennu

A sonda Osiris-Rex da Nasa completou com sucesso as manobras para descer na superfície do asteroide Bennu e recolher amostras de poeira e pequenas pedras. Logo saberemos mais sobre os materiais que formam esse corpo celeste.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por: Equipe Oásis


Alegria nos laboratórios da Nasa

Os técnicos da missão da Nasa a Bennu comemoram a chegada da sonda.

Às 19H12 horário de Brasília, na noite de ontem, 21 de outubro 2020, os técnicos da Nasa que trabalham na missão da sonda Osiris-Rex ao asteroide Bennu se levantaram de suas cadeiras e deram gritos de alegria. Estava oficialmente confirmado: a sonda Osiris-Rex tocara a superfície do asteroide Bennu e fizera todas as manobras necessárias para recolher amostras de pó e pequeninas pedras do lugar escolhido para a operação. 

Os dados de telemetria indicavam que o braço robótico TAGSAM encarregado do recolhimento das amostras tinha sido corretamente estendido e, como estava previsto, emitido um jato de gás azoto para levantar material da superfície do corpo celeste. Esse material, a seguir, foi corretamente “aspirado” a bordo da sonda. Momentos depois, os dados confirmaram a ignição dos propulsores para levar novamente a sonda a uma distância segura de Bennu.

Tudo funcionou bem

A Osiris-Rex realizou a manobra de forma autônoma, seguindo instruções programadas há algum tempo e enviando as diversas comunicações, que chegam à Terra com 18 minutos de atraso. Resta saber se conseguiu realmente coletar material suficiente: levará uma semana para confirmar que ela coletou pelo menos 60 gramas de pó, o que é estritamente necessário para fazer análises aprofundadas. A equipe da missão analisará as imagens do local de pouso antes e depois da manobra para se certificar de que o braço TAGSAM criou dispersão suficiente de poeira na superfície: seria uma primeira indicação de uma coleta bem-sucedida.

Vídeo: O TAGSAM, o braço mecânico da Osiris-Rex, usado para recolher material da superfície do asteroide Bennu.

Para determinar a quantidade de poeira, uma série de fotos da placa de coleta do braço robótico também será tirada; em seguida, os técnicos tentarão medir a massa da amostra avaliando como isso afeta a rotação do TAGSAM em torno de um eixo central, com uma manobra que já foi testada no passado, quando o braço estava vazio.Se a missão for bem-sucedida, a OSIRIS-REx poderá iniciar sua jornada de volta em março de 2021. Caso contrário, poderá tentar novamente a partir de janeiro, usando as outras duas cargas de nitrogênio disponíveis. A sonda japonesa Hayabusa2 também coletou duas amostras de um asteroide – no caso, o seu nome é Ryugu – e está pronta para entregar à Terra em 6 de dezembro de 2020, antes de retornar ao espaço profundo.

Vídeo: A alegria dos técnicos no momento em que a Osiris-Rex tocou a superfície de Bennu.


 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247