Covid-19 não é uma pandemia. Trata-se na verdade de uma sindemia

O que aprendemos até agora nos diz que a história da COVID-19 não é tão simples. Duas categorias de doenças estão interagindo em populações específicas – infecção com síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e uma série de doenças não transmissíveis (DNTs). Essas condições estão se agrupando em grupos sociais de acordo com padrões de desigualdade profundamente enraizados em nossas sociedades.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por: Richard Horton. Fonte: Revista The Lancet

À medida que o mundo chega a 1 milhão de mortes por COVID-19, devemos enfrentar o fato de que estamos adotando uma abordagem muito restrita para controlar esse surto de um novo coronavírus. Vimos a causa desta crise como uma doença infecciosa. Todas as nossas intervenções enfocaram o corte das linhas de transmissão viral, controlando assim a propagação do patógeno. A “ciência” que guiou os governos foi impulsionada principalmente por modeladores de epidemias e especialistas em doenças infecciosas, que compreensivelmente enquadram a atual emergência de saúde em termos de peste seculares. Mas o que aprendemos até agora nos diz que a história do COVID-19 não é tão simples.

Terra mascarada


Duas categorias de doenças estão interagindo em populações específicas – infecção com síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e uma série de doenças não transmissíveis (DNTs). Essas condições estão se agrupando em grupos sociais de acordo com padrões de desigualdade profundamente enraizados em nossas sociedades. A agregação dessas doenças em um contexto de disparidade social e econômica exacerba os efeitos adversos de cada doença separada. COVID-19 não é uma pandemia. É uma sindemia. A natureza sindêmica da ameaça que enfrentamos significa que uma abordagem mais sutil é necessária se quisermos proteger a saúde de nossas comunidades.

O que é uma sindemia?

A noção de uma sindemia foi concebida pela primeira vez por Merrill Singer, um antropólogo médico americano, na década de 1990. Escrevendo no The Lancetem 2017, junto com Emily Mendenhall e colegas, Singer argumentou que uma abordagem sindêmica revela interações biológicas e sociais que são importantes para o prognóstico, tratamento e política de saúde. Limitar os danos causados pelo SARS-CoV-2 exigirá muito mais atenção às DNTs e à desigualdade socioeconômica do que tem sido admitido até agora.

Uma sindemia não é apenas uma comorbidade. As sindemias são caracterizadas por interações biológicas e sociais entre condições e estados, interações que aumentam a suscetibilidade de uma pessoa a prejudicar ou piorar seus resultados de saúde. No caso do COVID-19, atacar os DNTs será um pré-requisito para uma contenção bem-sucedida. Como nosso recém-publicado NCD Countdown 2030 mostrou, embora a mortalidade prematura por NCDs esteja caindo, o ritmo da mudança é muito lento. O número total de pessoas que vivem com doenças crônicas está crescendo. Abordar o COVID-19 significa abordar a hipertensão, obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas e câncer. Prestar mais atenção às DNTs não é uma agenda apenas para nações mais ricas. As DNTs também são uma causa negligenciada de problemas de saúde nos países mais pobres. Em seus Lancet Commission, publicada na semana passada, Gene Bukhman e Ana Mocumbi descreveram uma entidade que chamaram de NCDI Poverty, acrescentando lesões a uma série de NCDs – condições como picadas de cobra, epilepsia, doença renal e doença falciforme. Para o bilhão de pessoas mais pobres do mundo hoje, as DNTs representam mais de um terço de sua carga de doenças. A Comissão descreveu como a disponibilidade de intervenções econômicas e econômicas durante a próxima década poderia evitar quase 5 milhões de mortes entre as pessoas mais pobres do mundo. E isso sem considerar os riscos reduzidos de morte do COVID-19.

Juntos e diferentes


Corrigir as disparidades sociais

A consequência mais importante de ver a COVID-19 como uma sindemia é sublinhar suas origens sociais. A vulnerabilidade dos cidadãos mais velhos; comunidades étnicas negras, asiáticas e minoritárias, e trabalhadores-chave que são comumente mal pagos com menos proteções de bem-estar apontam para uma verdade até agora mal reconhecida – a saber, que não importa o quão eficaz seja um tratamento ou vacina protetora, a busca por uma solução puramente biomédica para COVID-19 falhará. A menos que os governos elaborem políticas e programas para reverter profundas disparidades, nossas sociedades nunca estarão verdadeiramente protegidas pelo COVID-19.

Como Singer e colegas escreveram em 2017, “Uma abordagem sindêmica fornece uma orientação muito diferente para a medicina clínica e saúde pública, mostrando como uma abordagem integrada para entender e tratar doenças pode ser muito mais bem-sucedida do que simplesmente controlar doenças epidêmicas ou tratar pacientes individuais.” Eu acrescentaria mais uma vantagem. Nossas sociedades precisam de esperança. A crise econômica que se aproxima de nós não será resolvida com um medicamento ou uma vacina. Nada menos que um avivamento nacional é necessário. Abordar o COVID-19 como uma sindemia irá convidar a uma visão mais ampla, abrangendo educação, emprego, habitação, alimentação e meio ambiente. Ver a COVID-19 apenas como uma pandemia exclui esse prospecto mais amplo, mas necessário.

Pandemia


Qual é a diferença entre uma pandemia, uma epidemia, uma endemia e um surto?

Nem todos os termos de doenças infecciosas são criados iguais, embora muitas vezes sejam usados indevidamente de forma intercambiável. A distinção entre as palavras “pandemia”, “epidemia” e “endêmica” é regularmente confusa, mesmo por especialistas médicos. Isso ocorre porque a definição de cada termo é fluida e muda conforme as doenças se tornam mais ou menos prevalentes com o tempo.

Embora no dia-a-dia o uso dessas palavras possa não exigir definições precisas, saber a diferença é importante para ajudá-lo a entender melhor as notícias de saúde pública e as respostas de saúde pública adequadas.Vamos começar com as definições básicas:

  • Uma epidemia é uma doença que afeta um grande número de pessoas em uma comunidade, população ou região.
  • Uma pandemia é uma epidemia que se espalha por vários países ou continentes.
  • Endêmico é algo que pertence a um determinado povo ou país.
  • Um outbreak é um aumento maior do que o previsto no número de casos endêmicos. Também pode ser um único caso em uma nova área. Se não for controlado rapidamente, um surto pode se tornar uma epidemia.
Terra nas nossas mãos


Epidemia vs. Pandemia

Uma maneira simples de saber a diferença entre uma epidemia e uma pandemia é lembrar o “P” em pandemia, o que significa que uma pandemia tem passaporte. Uma pandemia é uma epidemia que se espalha.

Epidemia vs. Endemia

Mas qual é a diferença entre epidemia e endemia? Uma epidemia está se espalhando ativamente; novos casos da doença excedem substancialmente o esperado. Mais amplamente, é usado para descrever qualquer problema que está fora de controle, como “a epidemia de opioides”. Uma epidemia geralmente está localizada em uma região, mas o número de infectados nessa região é significativamente maior do que o normal. Por exemplo, quando COVID-19 estava limitado a Wuhan, China, era uma epidemia. A propagação geográfica transformou-o em uma pandemia. As endemias, por outro lado, são uma presença constante em um determinado local. A malária é endêmica em partes da África. O gelo é endêmico na Antártica.

Endemia vs. Surto

Indo um passo adiante, uma endemia pode levar a um surto, e um surto pode acontecer em qualquer lugar. O surto de dengue no verão passado no Havaí é um exemplo. A dengue é endêmica em certas regiões da África, América Central e do Sul e Caribe. Os mosquitos nessas áreas transmitem a dengue e a transmitem de pessoa para pessoa. Mas em 2019 houve um surto de dengue no Havaí, onde a doença não é endêmica. Acredita-se que uma pessoa infectada visitou a Ilha Grande e foi picada por mosquitos ali. Os insetos então transferiram a doença para outros indivíduos que picaram, o que criou um surto.Você pode ver por que é tão fácil confundir esses termos. Eles estão todos relacionados entre si e há um fluxo e refluxo natural entre eles à medida que os tratamentos se tornam disponíveis e as medidas de controle são postas em prática – ou conforme ocorrem surtos e a doença começa a se espalhar.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247