Internet das sombras. A Dark Web está cada vez mais popular

Há uma Internet paralela que você talvez ainda não conheça — acessada por um navegador especial e que hospeda uma incrível infinidade de sites para tudo, de ativismo anônimo a atividades ilegais. Jamie Bartlett fala sobre a Dark Web.

Há uma Internet paralela que você talvez ainda não conheça — acessada por um navegador especial e que hospeda uma incrível infinidade de sites para tudo, de ativismo anônimo a atividades ilegais. Jamie Bartlett fala sobre a Dark Web.
Há uma Internet paralela que você talvez ainda não conheça — acessada por um navegador especial e que hospeda uma incrível infinidade de sites para tudo, de ativismo anônimo a atividades ilegais. Jamie Bartlett fala sobre a Dark Web. (Foto: Gisele Federicce)

 

  

Vídeo: TED – Ideas Worth Spreading

Tradução: Daniele Vichietti. Revisão: Sandro Sperandei  

 

No seu livro "The Dark Net" (A Internet das sombras), Jamie Bartlett investiga as subculturas ligadas à Internet, tanto as legais quanto as ilegais. Bartlett é diretor do Centre for the Analysis of Social Media em Demos, um dos formadores de opinião importantes hoje no Reino Unido. Jamie Bartlett está no  momento envolvido em áreas como a da cripto-moedas, métodos de vigilância e contra-segurança, bem como os usos que o Estado Islâmico faz das mídias sociais para suas ações de propaganda e recrutamento. Já conduziu investigações de campo no Paquistão e no Bangla Desh.

 

Vídeo: Palestra de Jamie Bartlett no TED

 

 

Tradução integral da palestra de Jamie Bartlett no TED: 

Se você quer comprar cocaína de alta qualidade e baixo custo, só há um lugar para ir, e esse lugar são os mercados anônimos da Dark Web.

Bem, você não acessa esses sites com um navegador comum - Chrome ou Firefox - porque eles estão naquela parte escondida da Internet conhecida como "serviços escondidos do Tor", onde URLs são uma sequência de números e letras sem sentido que terminam em .onion, os quais você acessa através de um navegador especial chamado de navegador Tor.

O Tor era originalmente um projeto da Inteligência Naval Americana. Ele então se tornou de código aberto, e isso permitiu que qualquer um navegue pela internet sem informar sua localização. E faz isso criptografando seu endereço IP e então roteando-o por vários outros computadores ao redor do mundo que usam o mesmo software. Você pode usá-lo na Internet normal, mas ele é também a sua chave para a Dark Web. E por causa desse amigavelmente engenhoso sistema de criptografia, os 20 ou 30 - não sabemos exatamente - mil sites que operam lá são incrivelmente difíceis de serem fechados. É um mundo livre de censura, visitado por usuários anônimos.

Por isso não há muita dúvida de que seja um lugar natural a ir para alguém com algo a esconder, e esse algo, claro, não precisa ser ilegal. Na Dark Web, você irá achar sites de "dedos-duros", The New Yorker. Você irá achar blogs de ativismo político. Irá achar bibliotecas de livros pirateados. Mas também irá achar mercados de drogas, pornografia ilegal, serviços comerciais de hacking, e muito mais. Bem, a Dark Web é um dos lugares mais interessantes e excitantes da rede. E a razão é que, embora a inovação, é claro, ocorra nas grandes empresas, ocorra nas melhores universidades, ela também ocorre na marginalidade. Porque os marginalizados - a escória, os rejeitados - são muitas vezes, os mais criativos, porque eles precisam ser. Nesta parte da Internet, você não vai encontrar imagens fofas, nem pop-ups de propagandas. E essa é uma das razões pelas quais penso que muitos de vocês aqui vão estar na Dark Web em breve.

 

Jamie Bartlett, formador de opinião na Inglaterra e pesquisador da Dark Web

Jamie Bartlett, formador de opinião na Inglaterra e pesquisador da Dark Web

 

Não que esteja sugerindo que alguém aqui a usaria para conseguir narcóticos de alta qualidade. Mas digamos que estivessem.

Pensem comigo. A primeira coisa que você vai notar ao se registrar em um desses sites é como eles parecem familiares. Cada um dos produtos - milhares de produtos - têm uma imagem em alta qualidade, uma descrição detalhada, um preço. Há um ícone "Finalizar compra". Há até, o mais bonito de tudo, um botão "Reporte este item".

Incrível. Você navega pelo site, faz suas escolhas, paga com a cripto-moeda bitcoin, digita um endereço - preferencialmente não o endereço de casa - e espera que o produto chegue no correio, o que quase sempre acontece. E a razão pelo qual acontece não é por causa da inteligente criptografia. Isso é importante. Algo muito mais simples que isso. É a avaliação dos usuários.

Veja, todo vendedor nesses sites usa um pseudônimo, naturalmente, mas eles mantêm o mesmo pseudônimo para construir uma reputação. E porque é fácil para o comprador mudar sua fidelidade sempre que querem, a única maneira de confiar em um vendedor é se eles tem um bom histórico de análises positivas de outros usuários do site.

E essa introdução de competição e escolha faz exatamente o que economistas preveriam. Preços caem, qualidade dos produtos tende a aumentar, e os vendedores são atenciosos, são educados, são centrados no consumidor, oferecendo a você acordos especiais, compre-um-leve-dois, frete grátis, para te fazer feliz.

Eu falei com Drugsheaven. Drugsheaven estava oferecendo maconha excelente e consistente por um bom preço. Ele tinha uma generosa política de reembolso, termos e condições detalhados, e entrega rápida.

 

 

"Caro Drugsheaven," eu escrevi, via sistema interno de email, que também é criptografado, é claro. "Sou novo aqui. Se importa que compre apenas um grama de maconha?"

Algumas horas depois, sou respondido. Eles sempre respondem.

"Olá, obrigado pelo e-mail, Começar aos poucos é uma boa decisão. Eu faria o mesmo, se fosse você."

"Então não há problema em você começar com apenas um grama. Espero fazer negócios com você. Saudações, Drugsheaven."

Não sei porque ele teria um sotaque elegante, mas eu achei que tinha.

Agora, esse tipo de atitude centrada no consumidor é a razão por que, quando eu analisei 120.000 avaliações que foram deixadas em um site por um período de três meses, 95% delas foram 5 de 5 pontos. O cliente, veja, é rei. Mas o que isso significa? Bem, por um lado, isso significa que há mais drogas, mais disponíveis, mais facilmente, para mais pessoas. E pelo que sei, isso não é bom. Mas, por outro lado, se você vai usar drogas, você tem um modo razoavelmente bom de garantir um certo nível de qualidade e pureza, o que é incrivelmente importante se você vai usar drogas. E você pode comprá-las no conforto de sua casa, sem os riscos associados a comprar nas ruas.

Agora, como disse, você tem que ser criativo e inovador para sobreviver nesse mercado. E os 20 e poucos sites que estão em operação - aliás, eles nem sempre funcionam, não são sempre perfeitos; o site que lhes mostrei foi derrubado 18 meses atrás, mas não sem antes ter gerado mais de um bilhão de dólares em transações. Mas esses mercados, por causa das difíceis condições em que operam, condições inóspitas, estão sempre inovando, pensando em como ser mais inteligentes, mais descentralizados, mais difíceis de censurar, e mais amigáveis ao consumidor.

 

 

Por exemplo, o sistema de pagamento. Você não usa seu cartão de crédito, claro - isso o entregaria. Então você usa a cripto-moeda bitcoin, que é facilmente trocada por moedas reais e dão um alto nível de anonimidade aos usuários.

Mas no início desses sites, as pessoas encontraram falhas. Alguns dos negociadores estavam fugindo com os bitcoins das pessoas antes de enviarem as drogas. A comunidade veio com uma solução, chamada pagamentos sob múltiplas assinaturas. Então, ao comprar meu item, eu mandaria meu bitcoin para uma terceira carteira digital, neutra. O vendedor, que veria que eu mandei, estaria confiante em poder me enviar o produto, e então quando eu o recebesse, ao menos duas de três pessoas envolvidas na transação - vendedor, comprador, administrador do site - teriam que autorizar a transação com uma assinatura digital única, e então o dinheiro seria transferido.

Brilhante! Elegante. Funciona.

Mas então perceberam que havia um problema com o bitcoin, porque toda transação em bitcoins é na verdade guardada publicamente em um registro. Então se você for esperto, você pode tentar achar quem é quem. Assim, eles criaram um serviço elaborado. Centenas de pessoas mandam seus bitcoins para um endereço, eles são embaralhados, e então a quantidade certa é mandada para o consumidor correto, mas agora são bitcoins diferentes: microssistemas de lavagem de dinheiro.

É incrível. Interessado em que drogas são moda agora mesmo nos mercados da Dark Web? Consulte Grams, o buscador. Você pode até comprar espaços de propaganda.

Você é um consumidor ético, preocupado com o que a indústria das drogas faz? É. Um vendedor irá te oferecer um bom negócio de cocaína orgânica.

Isso não vem de traficantes colombianos, mas fazendeiros guatemaltecos. Eles ainda prometem investir 20% de qualquer lucro em programas educacionais locais.

Há até mesmo clientes-espiões. Agora, seja lá o que você pense sobre a moralidade desses sites - e eu admito que não é uma questão fácil - a criação de mercados anônimos, competitivos e funcionais, onde ninguém sabe quem é quem, constantemente em risco de serem fechados pelas autoridades, é uma realização poderosa, uma realização fenomenal. E é esse tipo de inovação que os marginalizados são muitas vezes os precursores.

É fácil de esquecer que por causa de sua curta vida, a Internet na verdade mudou muitas vezes nesses 30 e poucos anos. Começou nos anos 70 como um projeto militar, transformando-se nos anos 80 em uma rede acadêmica, cooptada por companhias comerciais nos anos 90, e então invadida por todos nós via mídias sociais nos anos 2000, mas acho que isso irá mudar de novo. E acho que coisas como os mercados da Dark Web - criativos, seguros, difíceis de censurar - eu acho que são o futuro.

 

 

E a razão pela qual são o futuro é que estamos todos preocupados com nossa privacidade. Pesquisas consistentemente mostram preocupações com a privacidade. Quanto mais ficamos online, mais nos preocupamos, e as pesquisas mostram essas preocupações aumentando. Estamos preocupados com nossos dados. Com quem pode estar nos observando.

Desde as revelações de Edward Snowden, há um grande aumento no número de pessoas usando várias ferramentas para aumentar a privacidade. Há agora entre dois e três milhões de usuários diários do navegador Tor, a maioria fazendo uso perfeitamente legítimo, às vezes até banal. E há centenas de ativistas pelo mundo trabalhando em técnicas e ferramentas para te manter incógnito online -serviços de mensagens criptografadas, Ethereum, que é um projeto que tenta ligar disco rígidos conectados, mas não usados, de milhões de computadores pelo mundo, para criar um tipo de internet distribuída que ninguém controla. Bem, nós já tínhamos computação distribuída antes, é claro. Nós usamos ela para tudo, desde Skype até uma busca por vida extraterrestre. Mas combine computação distribuída e criptografia poderosa - que é muito, muito difícil de censurar e controlar. Outro projeto, chamada MaidSafe, funciona em princípios similares. Outro chamado Twister, e assim por diante.

E aqui está o ponto - quanto mais pessoas se unem, mais interessante esses sites se tornam, e mais pessoas se unem, e assim por diante. Acho que isso é o que vai acontecer.

 

 

Aliás, já está acontecendo. A Dark Web não é mais um antro para vendedores de drogas e um esconderijo para "dedos-duros". Já está se tornando popular. Recentemente, o músico Aphex Twin lançou seu álbum como um site da Dark Web. O Facebook criou um site na Dark Web. Um grupo de arquitetos de Londres abriu um site na Dark Web para pessoas preocupadas sobre projetos de regeneração. Sim, a Dark Web está se tornando popular, e prevejo que, em breve, toda companhia de mídias sociais, toda grande agência de notícias, e logo a maioria de vocês nesta plateia, também irá usar a Dark Web.

Então a Internet está prestes a se tronar mais interessante, mais excitante, mais inovadora, mais terrível, mais destrutiva. É uma boa notícia se você se importa com a liberdade.

Se você se importa com a independência. Se você se importa com a democracia. Também é uma boa notícia se você quer navegar por pornografia ilegal e se quiser vender e comprar drogas impunemente. Nem totalmente escuro, nem totalmente claro. Não é um lado ou outro que vai vencer, mas ambos.

Muito obrigado, mesmo. 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247