Não se esconda. Saia do armário, solte a franga

Ash Beckham oferece um novo enfoque para a empatia e a sinceridade. Começa com a compreensão de que todos, em algum momento da vida, experimentam dificuldades. A única solução, diz Beckham, é abrir a porta e sair do armário

Ash Beckham oferece um novo enfoque para a empatia e a sinceridade. Começa com a compreensão de que todos, em algum momento da vida, experimentam dificuldades. A única solução, diz Beckham, é abrir a porta e sair do armário
Ash Beckham oferece um novo enfoque para a empatia e a sinceridade. Começa com a compreensão de que todos, em algum momento da vida, experimentam dificuldades. A única solução, diz Beckham, é abrir a porta e sair do armário (Foto: Gisele Federicce)

Ash Beckham

Ash Beckham

 

 

 

Tradução: Viviane Ferraz Matos. Revisão: Nadja Nathan

 

A advogada Ash Beckham faz um mix de experiência pessoal e sabedoria para ajudar a todas as pessoas a “enfrentar os seus demônios”. Lésbica ativista, ela explica nesta comovente palestra como a aceitação da nossa condição humana comum auxilia na superação das dificuldades pelas todos nós passamos ao longo da vida

 

Vídeo: Todos nós escondemos algo. Tenhamos a coragem de falar abertamente

 

 

Tradução integral da palestra de Ash Beckham:

 

Vou falar com vocês sobre sair do armário, não no sentido tradicional, não apenas do armário gay. Acho que todos nós temos um armário. O seu pode ser dizer a alguém, pela primeira vez, que a ama, ou contar que está grávida, ou que tem câncer, ou qualquer conversa difícil que temos na vida. O armário é uma conversa difícil, e ainda que os assuntos variem tremendamente, a experiência de viver no armário e sair dele é universal. Dá medo, nós a odiamos, mas ela precisa acontecer.

Muitos anos atrás, trabalhei no South Side Walnut Cafe, um restaurante daqui, e nesse período passei por fases de intensa militância lésbica: não depilava as axilas, citava as músicas de Ani DiFranco como religião. E conforme a largura da bermuda cargo e de ter raspado a cabeça recentemente, a pergunta era lançada a mim, geralmente por uma criança: "Umm, você é menino ou menina?" E havia um silêncio desconcertante à mesa. Eu contraía mais a mandíbula, segurava a cafeteira de um modo mais vingativo. O pai desconcertado folheava o jornal e a mãe lançava um olhar gelado ao filho. Mas eu não dizia nada, e fervia por dentro. Cheguei ao ponto em que sempre que ia a uma mesa com crianças de 3 a 10 anos, estava pronta para a luta. (Risos) E é um sentimento terrível. Então, prometi a mim mesma, que, na próxima, diria algo. Teria a conversa difícil.

Em poucas semanas, aconteceu de novo. "Você é menino ou menina?" Um silêncio familiar, só que dessa vez eu estava pronta, e quase discursando toda a aula de estudos femininos na mesa. (Risos) Sei frases de Betty Friedan. Sei frases de Gloria Steinem. Citarei até um trechinho de Os Monólogos da Vagina. Então inspiro bem fundo, olho para baixo e vejo uma menina de vestido rosa, de 4 anos, me encarando. Não era um desafio a um duelo feminista, apenas uma menina com uma pergunta: "Você é menino ou menina?"

Respirei fundo novamente, agachei perto dela, e falei: "Oi, sei que é meio confuso. Meu cabelo é curto como o de menino, e uso roupa de menino, mas sou uma menina, e sabe como gostamos de vestido rosa, e, às vezes, de pijama confortável? Sou mais o tipo de menina que prefere pijama confortável." E a menina me olhou nos olhos, sem se distrair, e disse: "Meu pijama favorito é roxo com peixes. Traz uma panqueca, por favor?" (Risos) E foi isso: "Ah, ok. Você é uma menina. E a minha panqueca?"

Foi a conversa difícil mais fácil que já tive. Porque a menina da panqueca e eu, fomos sinceras uma com a outra. Assim como muita gente, vivi em alguns armários na vida, e sim, muitas vezes, minhas paredes eram um arco-íris. Mas lá dentro, no escuro, não dá para saber a cor das paredes. Sabemos apenas a sensação de viver no armário. Meu armário não é diferente do seu, do seu ou do seu. Claro, darei a vocês 100 razões de que sair do meu armário foi mais difícil, mas esta é a questão: o difícil não é relativo. O difícil é difícil. Quem diz que explicar a alguém que sua falência foi decretada é mais difícil do que contar que você o traiu? Quem diz que a sua saída do armário é mais difícil do que contar ao filho de 5 anos sobre seu divórcio? Não há mais difícil, há apenas difícil.

 

Ash Beckham, durante a palestra no TED

Ash Beckham, durante a palestra no TED

 

Temos que parar de achar que nosso difícil é o maior de todos para nos sentirmos melhor ou pior sobre nosso armário, e nos solidarizarmos por termos algo difícil. Em um momento da vida, vivemos no armário, e talvez sintamos segurança, ou mais segurança do que há do outro lado da porta. Mas estou aqui para dizer que não importa do que são feitas as paredes, o armário não é lugar para se viver. Obrigada. (Aplausos)

Imaginem-se 20 anos atrás. Eu usava rabo de cavalo, vestido tomara-que-caia e salto alto. Não era a lésbica militante pronta para lutar com uma criança de 4 anos que entrasse no café. Estava paralisada pelo medo, agachada em um canto do meu armário escuro agarrada a minha granada gay, e mover um músculo foi a coisa mais aterrorizante que já fiz. Minha família, meus amigos, completos estranhos... Passei a vida inteira tentando não decepcioná-los, e agora eu estava virando o mundo de cabeça para baixo de propósito. Estava queimando as páginas do script que seguimos por tanto tempo, mas se não lançamos a granada, ela nos mata. Um lançamento memorável de granada meu foi no casamento da minha irmã. (Risos) Foi quando muitos convidados souberam que eu era gay, então na função de dama de honra, com um vestido preto e salto alto, andei ao redor das mesas e cheguei à dos amigos dos meus pais, que me conheciam há anos. E depois de uma ligeira conversa, uma mulher falou: "Adoro Nathan Lane!"

E a guerra de identificação gay começou. "Ash, já foi no Castro?" "Sim, temos amigos em São Francisco." "Não fomos lá, mas dizem que é fabuloso." "Ash, conhece meu cabeleireiro Antonio? Ele é ótimo e nunca falou em namoradas." "Qual o seu programa favorito de TV? O nosso? Favorito: Will e Grace. Sabe quem adoramos? Jack. Jack é o nosso favorito." E logo uma mulher, desconcertada, querendo desesperadamente mostrar apoio, para eu saber que era a meu favor, finalmente disse: "Às vezes, meu marido usa camisa rosa." (Risos)

E tive a chance naquele momento, como todo lançador de granada. Poderia voltar para a minha namorada e nossa adorável mesa gay e ridicularizar seus comentários, punir seu desconhecimento e inabilidade de saltar as politicamente corretas argolas gay que eu trouxera, ou poderia compreendê-los e entender que pode ter sido uma das coisas mais difíceis que fizeram, esse início e essa conversa foram eles saindo do armário.

Claro, seria fácil apontar onde falharam. É mais difícil entender a posição deles e reconhecer que tentaram. E o que mais podemos pedir a alguém senão que tente? Se você vai ser verdadeiro com alguém, tem que estar preparado para o retorno da verdade. Conversas difíceis ainda não são o meu forte. Pergunte a qualquer um que tenha namorado comigo. Mas estou melhorando, e sigo o que chamo: os 3 princípios da menina da panqueca.

Por favor, vejam isso pelas coloridas lentes gay, mas saiba que sair de qualquer armário é essencialmente igual. Número um: Seja autêntico. Tire a armadura. Seja você mesmo. A menina no café não tinha armadura, mas eu estava pronta para a batalha. Se quer que sejam sinceros com você, eles precisam saber que você também sangra. Número dois: Seja direto. Diga logo. Arranque o Band-Aid . Se você sabe que é gay, diga. Se você diz a seus pais que talvez seja gay, eles terão esperança de que isso mude. Não alimente falsa esperança. (Risos) E número três, e o mais importante... (Risos) Não se desculpe. Você está expressando sua verdade. Nunca se desculpe por isso.

E algumas pessoas podem ficar magoadas, então, claro, desculpe-se pelo que fez, mas nunca se desculpe pelo que você é. Algumas pessoas podem se sentir decepcionadas, mas isso é com elas, não com você. São as expectativas delas, não as suas. A história é delas, não sua. A única história que importa é a que você quer escrever. Por isso quando estiver num armário escuro com uma granada, saiba que nós já estivemos lá um dia. Você pode se sentir só, mas não está. Sabemos que é difícil, mas precisamos de você aqui fora, não importa do que suas paredes são feitas, porque eu garanto que há pessoas olhando pelo buraco da fechadura dos seus armários a espera da próxima alma corajosa que derrube a porta, então seja essa pessoa e mostre ao mundo que somos maiores que nossos armários e que armário não é lugar para uma pessoa viver de verdade. Obrigada, Boulder. Aproveitem a noite. (Aplausos)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247