Nyiragongo. Um vulcão imenso está prestes a explodir

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O vulcão Nyiragongo, na região central da África, encontra-se hoje em um estado similar àquele que levou à erupção de 2002, causando centenas de mortos e milhares de desabrigados. Cientistas já deram o sinal de alerta. Na foto de abertura, o rio de lava em formação a partir da cratera do vulcão,

 

O vulcão Nyiragongo, na região central da África, encontra-se hoje em um estado similar àquele que levou à erupção de 2002, causando centenas de mortos e milhares de desabrigados. Cientistas já deram o sinal de alerta. Na foto de abertura, o rio de lava em formação a partir da cratera do vulcão,

Por: Equipe Oásis

Lava do Nyiragongo transborda


O lago do Nyiragongo em 2002, quando rompeu as paredes e transbordou.

Em 2002, a erupção do vulcão Nyiragongo produziu um rio de lava que desceu rapidamente ao longo dos flancos do vulcão, em direção à cidade de Goma, na fronteira entre a República Democrática do Congo e Ruanda. O número de mortos, embora seja impressivo, fala em cerca de 250 vidas perdidas, com 20 por cento da cidade destruída e centenas de milhares de pessoas forçadas a fugir. O retorno à normalidade foi muito lento e hoje, como costuma acontecer, parece que quase ninguém se lembra do Nyiragongo e do perigo que representa, pelo menos a julgar pelo aumento da população que vive ao redor do vulcão, cerca de um milhão e meio de pessoas, mais do que o dobro do que vivia lá em 2002.

Turista na beira da cratera do Nyiragongo


Turista observa o lago de lava do Nyiragongo da borda da cratera

Risco máximo

Nos últimos anos, foram criadas novas condições que podem levar a um desastre mais grave do que o anterior: é o que afirma Dario Tedesco, vulcanólogo da Universidade Luigi Vanvitelli (Caserta, Itália), que no início de 2002 realizou uma campanha de pesquisas na cratera do “vulcão borbulhante”, como é chamado. A campanha mostrou como o nível do lago de lava permanente (devido à emissão contínua de gases muito quentes) está subindo a uma taxa alarmante. Isso pode fazer com que a lava derreta as paredes da cratera e se espalhe na planície abaixo sem aviso prévio. De acordo com pesquisas e projeções baseadas em dados atuais, o risco máximo será alcançado em cerca de 4 anos – mas uma erupção pode ser desencadeada a qualquer momento. Basta, por exemplo, que um terremoto aconteça naquela área, por sinal bastante sujeita a movimentos sísmicos. A avaliação de Tedesco é que o Nyiragongo, no momento, “é o vulcão mais perigoso do mundo”.

Um rio de lava

Tedesco estuda o Nyiragongo desde meados da década de 1990, quando os refugiados tutsis que fugiam da vizinha Ruanda aumentaram a população de Goma. As Nações Unidas pediram a sua opinião sobre os perigos do vulcão e, desde então, esse cientista e sua equipe tem monitorizado continuamente os estados de espírito do Nyiragongo, precisamente nos anos anteriores à erupção de 2002. Os paralelos que existem hoje com aquilo que aconteceu há 18 anos é impressionante. O evento de 2002 começou depois que um terremoto abriu fissuras no flanco sul do vulcão: o lago de lava de 200 metros de largura, o maior do mundo neste momento, foi esvaziado em poucas horas, liberando lava muito fluida que fluiu rio abaixo a 60 quilômetros por hora. A lava, que atingiu Goma, acumulou-se em camadas de até 2 metros de altura, criando finalmente um delta de 800 metros de largura que desaguou no Lago Kivu, situado nas proximidades.

Cidade de Goma


A cidade de Goma, entre o lago Kivu e o vulcão Nyiragongo.

Como uma torneira aberta

Quando as rachaduras ficaram obstruídas e fechadas, a lava novamente começou a ferver e a encher o lago da cratera, exatamente como antes do terremoto. O influxo de lava no lago acelerou em 2016, quando uma nova abertura permitiu que mais gás e lava subissem das profundezas. Em fevereiro passado, durante a inspeção mais recente de Tedesco e seus colegas – levados por tropas de paz das Nações Unidas para evitar eventuais agressões por parte das várias facções armadas ativas na área – foi descoberto que o nível do lago de lava está subindo. Desta vez, mais rápido do que nunca, com o novo respiradouro bombeando cerca de 4 metros cúbicos de lava por segundo, o suficiente para encher uma piscina olímpica a cada 10 minutos – e “quanto mais o volume aumenta, mais chances de erupção em Goma aumentam”, diz Katcho Karume, gerente geral do Observatório de Vulcões Goma (http://www.virunga-volcanoes.org/contacts/goma-volcano-observatory/).

O lago de lava na cratera do Nyiragongo


O Nyiragongo em vista noturna

Sob pressão crescente

O estudo sobre a recente atividade de Nyiragongo, coordenado pelo geofísico Pierre-Yves Burgi (Universidade de Genebra), revela que a pressão exercida pela lava nas paredes internas da cratera é atualmente de cerca de 20 atmosferas: ou seja, ultrapassou em muito a resistência mecânica dos flancos rochosos do vulcão. “A situação é, portanto, instável”, diz Burgi, “e o perigo de um tremor abrir uma nova fenda é muito alto.” Infelizmente, a situação geral da região também é muito instável do ponto de vista político e de segurança, sendo praticamente impossível chegar a Nyiragongo por via terrestre para estudos mais aprofundados sobre o estado do vulcão.

Vídeo: Visita ao vulcão Nyiragongo


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247