O ponto de vista asiático. A América de Joe Biden precisa aprender as lições que o mundo dá, e não o contrário

Com economias asiáticas, especialmente a da China, recuperando o seu vigor, eficácia e competitividade, uma transformação fundamental afeta a América. Ela deixou de ser uma “formadora de preços” para se tornar uma “tomadora de preços”. Para que Biden tenha sucesso, ele deverá reconhecer esses fatos e ignorar o conselho da arrogante ‘elite pensante’ de Washington.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por: Kishore Mahbubani (Diplomata e escritor singapuriano)

Fonte: Site South China Morning Post https://www.scmp.com/

Após a exaltação entusiástica global que se seguiu à vitória de Joe Biden na eleição presidencial dos Estados Unidos, seguinte Joe Biden's vitória no Eleição presidencial dos EUA, o mundo parece ter estacionado em algum lugar desconectado da realidade. Por um lado, a atmosfera parece estar impregnada da expectativa de que um novo amanhecer se aproxima. Espera-se que a América será mais uma vez um ator calmo, estável e racional nos assuntos internacionais. Por outro lado, há também uma percepção crescente de que Biden está de mãos atadas. Donald Trump se foi. Mas, como escreve Martin Wolf, “as chances de um retorno do trumpismo, e até mesmo do próprio Mr. Trump, existem e são boas”. E ele conclui, tristemente: "A presidência [de Biden] pode acabar como um interlúdio decepcionante." 

No entanto, antes de despencarmos mais uma vez para o plano da desgraça e da escuridão, vamos fazer uma pausa e nos perguntar se é possível que Biden tenha sucesso. A resposta é, como diria Barack Obama: "Sim, podemos". No entanto, esse “podemos” só será possível se os Estados Unidos fizerem uma autoanálise realista de seus pontos fortes e fracos atuais e perceber que precisam fazer algumas reviravoltas fundamentais, como documentei em meu livro Has China Won?

 O regresso da história

A primeira reviravolta fundamental é a partir do momento “Fim da História”. Numa clara retrospectiva, podemos constatar que este momento, cheio de arrogância e descomedimento, gerou uma enorme cegueira para a real “dura verdade” da época: “o regresso da história”. Com economias asiáticas, especialmente a da China, recuperando o seu vigor, eficácia e competitividade, uma transformação fundamental afeta a América. Ela deixou de ser uma “formadora de preços” para se tornar uma “tomadora de preços”. Na verdade, a onda econômica japonesa nas décadas de 1970 e 1980 já deveria ter fornecido um alerta de que a economia americana precisava de um “programa de ajuste estrutural” (para usar o jargão do FMI). Ainda assim, a toda poderosa América poderia usar a sua formidável musculatura geopolítica para conter a competição do Japão, um aliado forte porém dependente dos EUA. Mas nenhuma musculatura geopolítica desse tipo pode conter a competição chinesa.

Mudança radical de postura

Mas nem tudo está perdido. A economia americana continua dinâmica e competitiva. No entanto, em vez de uma crença laissez-faire de que os mercados irão naturalmente tornar os trabalhadores americanos mais competitivos, são necessários grandes programas de re-treinamento dos trabalhadores. Biden pode fazer disso sua prioridade número um. Para conseguir isso, a América precisa dar uma segunda reviravolta fundamental a partir da crença reaganiana profundamente arraigada de que “o governo não é a solução para o nosso problema, o governo é o problema”. A grande mensagem que o Leste Asiático está enviando ao mundo, por meio de sua competente gestão de Covid-, é que a frase “bom governo” não é uma utopia inalcançável. Na verdade, enquanto a América está tentando navegar em seu rota através de um momento histórico difícil, onde enfrenta a possibilidade histórica muito realista de se tornar a economia número dois do mundo, ela precisa preencher suas fileiras do serviço público com pessoas atenciosas e altamente motivadas - não a tripulação desmoralizada que Trump está deixando para trás. Muitos americanos perceberam a necessidade disso. Como vice-presidente, Al Gore tentou lançar a campanha “Reinventando o Governo”. Infelizmente, na década de 1990, os Estados Unidos ainda estavam cheios de arrogância do "Fim da História" e da antipatia reaganiana pelo governo. A segunda grande reviravolta que Biden pode fazer é mencionar o não mencionável: a América hoje precisa de um “bom governo”. Assim como a restauração Meiji proporcionou desempenho extraordinário à economia japonesa, enviando jovens japoneses para aprender as melhores práticas de boa governança em todo o mundo, os Estados Unidos podem fazer o mesmo. EUA e China reabrem negociações; Pequim parabeniza Biden já em 14 de novembro de 2020... Em suma, com humildade em vez de arrogância, a América pode aprender com o mundo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email