Reflexão sobre a inveja. Mãe Stella de Oxóssi põe o dedo na ferida

A inveja, o desejo de ser aquilo que não se é, de possuir aquilo que pertence ao outro, é um dos sentimentos mais nefastos. Nesta Reflexão, escrita em linguagem simples e direta, porém muito rica de sabedoria, Mãe Stella de Oxóssi, 92 anos de idade e uma das mães-de-santo mais célebres do Brasil, fala da inveja e do valor espiritual negativo que ela representa.

A inveja, o desejo de ser aquilo que não se é, de possuir aquilo que pertence ao outro, é um dos sentimentos mais nefastos. Nesta Reflexão, escrita em linguagem simples e direta, porém muito rica de sabedoria, Mãe Stella de Oxóssi, 92 anos de idade e uma das mães-de-santo mais célebres do Brasil, fala da inveja e do valor espiritual negativo que ela representa.
A inveja, o desejo de ser aquilo que não se é, de possuir aquilo que pertence ao outro, é um dos sentimentos mais nefastos. Nesta Reflexão, escrita em linguagem simples e direta, porém muito rica de sabedoria, Mãe Stella de Oxóssi, 92 anos de idade e uma das mães-de-santo mais célebres do Brasil, fala da inveja e do valor espiritual negativo que ela representa. (Foto: Luis Pellegrini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 

 

Por: Maria Stella de Azevedo Santos

Fonte: Site Geledés – Instituto da Mulher Negra: www.geledes.org.br

 

A minha função espiritual faz de mim uma intermediária entre o humano e o sagrado e para exercê-la da melhor maneira possível tenho como instrumento o Jogo de Búzios. Pessoas de diferentes idades, raças e até mesmo credos, buscam a ajuda desse oráculo. Surpreende-me o fato de que uma grande parte dos que me procuram sente-se vítimas de inveja.

Engraçado é que nunca, nem um só dia sequer, alguém chegou pedindo-me ajuda para se libertar da inveja que sentia dos outros. Será que só existem invejados? Onde estarão os invejosos? E o pior é quando consulto o oráculo e ele me diz que os problemas apresentados não são decorrentes de inveja, a pessoa fica enfurecida.

 


Controlar o sentimento de inveja

Percebo logo que existe ali uma profunda insegurança, que gera uma necessidade de autovalorização. Se isso ocorresse apenas algumas vezes, menos mal, o problema é que esse comportamento é uma constante. Isso me leva a pensar que cada pessoa precisa olhar dentro de si, tentar perceber em que grau a inveja existe dentro dela, para assim buscar controlar e emanar este sentimento, de modo que ela não venha a atuar de maneira prejudicial ao outro, mas principalmente a si, pois qualquer energia que emitimos, reflete primeiro em nós mesmos.

Uma fábula sobre a inveja serve para nossa reflexão: Uma cobra deu para perseguir um vagalume, cuja única atividade era brilhar. Muito trabalho deu o animalzinho brilhante à insistente cobra, que não desistia de seu intento. Já exausto de tanto fugir e sem possuir mais forças o vagalume parou e disse à cobra: – Posso fazer três perguntas? Relutante a cobra respondeu: – Não costumo conversar com quem vou destruir, mas vou abrir um precedente. O vagalume então perguntou: -Pertenço à sua cadeia alimentar?- Não, respondeu a cobra. – Fiz algum mal a você-?- Não, continuou respondendo a cobra.- Então por que me persegue?- perplexo, perguntou o brilhante inseto. A cobra respondeu: – Porque não suporto ver você brilhar, seu brilho me incomoda.

Ingênuas as pessoas que pensam que o brilho do outro tem o poder de ofuscar o seu. Cada um possui seu brilho próprio, que deve estar de acordo com sua função. Existem até pessoas cujas funções requerem simplicidade, onde o brilho natural só é percebido através do reflexo do olhar do outro.

 

Festa de aniversário, 92 anos de Mãe Stella


Brilhar mais que os outros

Lembro-me de uma garotinha de apenas 10 anos de idade que a mãe me procurou para ajudá-la, pois ela ficava furiosa quando não tirava nota dez na escola. Comportamento que fazia com que seus coleguinhas se afastassem dela. Algumas tardes eu passei conversando com a garota. Um dia ela chegou me dizendo que não aparesentava mais o referido problema, que até tirou nota dois e não se incomodou.

Fiquei muito feliz, cheguei mesmo a ficar vaidosa, pois acreditei que aquela nova atitude era resultado de nossas conversas. Foi quando ela me disse:- Sabe por que não me incomodei de tirar nota dois, Mãe Stella? Ansiosa, perguntei:- Por que? Ao que ela me respondeu: – Porque o resto da turma tirou nota um. Rimos juntas da minha pretensa sabedoria de conselheira e do natural instinto de vaidade que ela possuía e que muito trabalho teria para domá-lo. O desejo que a garota possuía de brilhar mais do que os outros, com certeza atrairia para ela muitos problemas. Afinal, ela não queria ser sábia, ela queria ser vista.

O caso contado anteriormente fez lembrar-me de outro que eu presenciei, onde uma senhora repleta de ouro insistia em me dizer que as pessoas estavam olhando para ela com inveja. Cansada daquele queixume, disse-lhe que quem não quer ser visto, não se mostra.

A inveja é popularmente conhecida como “olho gordo”. Se não queremos ser atingidos pelo olho gordo do outro, devemos cuidar para que que nossos olhos emagreçam, não deixando que eles cresçam com o desejo de possuir o alheio. Já que fazemos dieta para nossos corpos serem saudáveis, devemos também fazer dieta para nossos olhos, pois eles refletem a beleza da alma. A tendência agora é, portanto, olhos magrinhos, mas não anoréxicos, pois alguns desejos eles precisam ter, de preferência desejos saudáveis.


(*) Maria Stella de Azevedo Santos, Mãe Stella de Oxóssi, é Iyalorixá do Ilê Axé Opô Afonjá, em Salvador, Bahia, um dos mais importantes terreiros de candomblé do Brasil.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247