Após debandada na Economia, Bolsonaro reafirma compromisso com teto de gastos

Sem fala do ministro Paulo Guedes e nenhum anúncio concreto, Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre apenas reafirmaram o compromisso com o teto de gastos públicos e defenderam a reforma administrativa

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro fez um pronunciamento no início da noite desta quarta-feira, 12, ao lado dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, David Alcolumbre. 

Um dia após a "debandada" na pasta de Paulo Guedes, com dois pedidos de demissão, de Salim Mattar (Desestatização) e Paulo Uebel (Desburocratização), Bolsonaro reafirmou o compromisso do governo com a Emenda Constitucional 95, que estabelece um teto para os gastos públicos. 

"Nós respeitamos o teto dos gastos, queremos a responsabilidade fiscal e o Brasil tem como ser um daqueles países que melhor reagirá na saída da crise", afirmou Bolsonaro no pronunciamento. "Nós nos empenharemos para buscar soluções, destravar a economia", acrescentou. 

Os pronunciamentos foram motivados pelas declarações desta terça-feira (11) do ministro Paulo Guedes, da Economia. Guedes criticou auxiliares do presidente que, segundo ele, aconselham o presidente a "furar" o teto de gastos como forma de se fortalecer na disputa pela reeleição. De acordo com o ministro, se fizer isso, Bolsonaro se aproximará de uma "zona de impeachment".

O deputado Rodrigo Maia também de posicionou a favor da medida que restringe investimento públicos. "Todos nós reafirmamos com o teto de gastos, e com a boa qualidade do gastos públicos. A regulamentação do seus gatilhos propostos vai nos dar as condições de melhor administrar o nosso orçamento", afirmou. 

Maia também defendeu o envio, pelo governo, da reforma administrativa, que segundo ele, vai melhorar o uso do gasto público. 

Último a de manifestar, o senador Davi Alcolumbre disse que é preciso "nivelar as informações" da agenda de responsabilidade fiscal. "Precisamos formar este convencimento da sociedade brasileira da reforma administrativa e do pacto federativo", afirmou.  

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247