Em manifesto, Doria, Ciro, Huck, Eduardo Leite, Mandetta e Amoedo dizem que 'democracia brasileira é ameaçada'

"Exemplos não faltam para nos mostrar que o autoritarismo pode emergir das sombras, sempre que as sociedades se descuidam e silenciam na defesa dos valores democráticos", disse o manifesto que tem como signatários os governadores João Doria e Eduardo Leite, ambos do PSDB, além de Ciro Gomes (PDT), Luiz Henrique Mandetta (DEM), Luciano Huck e João Amoedo (Novo)

www.brasil247.com - Em cima: João Doria, Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta. Embaixo: Luciano Huck, Eduardo Leite e João Amoêdo
Em cima: João Doria, Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta. Embaixo: Luciano Huck, Eduardo Leite e João Amoêdo (Foto: Divulgação - Reprodução)


247 - Em um manifesto divulgado no começo da noite desta quarta-feira (31), os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), mais o apresentador Luciano Huck e o ex-presidenciável João Amoedo (Novo) afirmaram que a democracia brasileira é ameaçada. Nesta quarta completam-se 57 anos do início da Ditadura Militar (1964-1985) no Brasil.

De acordo com o manifesto, "exemplos não faltam para nos mostrar que o autoritarismo pode emergir das sombras, sempre que as sociedades se descuidam e silenciam na defesa dos valores democráticos".

"Muitos brasileiros foram às ruas e lutaram pela reconquista da Democracia na década de 1980. O movimento 'Diretas Já' uniu diferentes forças políticas no mesmo palanque, possibilitou a eleição de Tancredo Neves para a Presidência da República, a volta das eleições diretas para o Executivo e o Legislativo e promulgação da Constituição Cidadã de 1988. Três décadas depois, a Democracia brasileira é ameaçada", afirmaram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os signatários do manifesto fizeram uma convocação por uma união nacional. "Homens e mulheres desse país que apreciam a liberdade, sejam civis ou militares, independentemente de filiação partidária, cor, religião, gênero e origem, devem estar unidos pela defesa da consciência democrática. Vamos defender o Brasil", disse. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dilma Rousseff

Vítima de dois golpes, o de 1964 e o de 2016, a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que o povo brasileiro tem que lutar para encontrar a saída diante do túnel imposto pelos golpistas ao Brasil. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Qual é a chance de o país voltar a ser livre, o país do futuro com o qual tanto sonhamos? Não vejo mais luz no fim do túnel, tendo os opressores aliados à nossa elite", afirmou Dilma em entrevista à TV 247.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email