Novas mensagens apontam suspeição de Gebran, do TRF4: "temos liberdade suficiente"

"Ah, moleza isso. Temos o TRF mais rápido e vamos lá dizer pra eles serem the flash", escreveram os procuradores em grupo de mensagens, reforçando a influência da força-tarefa no tribunal

www.brasil247.com -
(Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4 | Felipe Gonçalves/247)


247 - Em nova petição apresentada pela defesa do ex-presidente Lula ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, mensagens trocadas entre procuradores da Lava Jato levantam a suspeição do desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

"Ah, moleza isso. Temos o TRF mais rápido e vamos lá dizer pra eles serem the flash. Kkkkk", escreveram os procuradores em grupo do Telegram, apontando influência no tribunal. Pouco depois, uma nova mensagem explicita intimidade da força-tarefa com o desembargador Gebran Neto: "temos liberdade suficiente com o Gebran para expor os o ponto de vista".

O ministro do STF Edson Fachin pautou para o Plenário virtual de 5 a 12 de março o julgamento de dois recursos apresentados pela defesa do ex-presidente, que alegam suspeição dos desembargadores Gebran Neto e Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, ambos do TRF4.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na petição também foi registrada a ocultação por parte dos procuradores de Lava Jato de um diálogo captado em grampo telefônico que poderia beneficiar Lula

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email