Paulo Teixeira é o primeiro líder da esquerda no Congresso a defender o impeachment de Bolsonaro por quebra de decoro

Após Bolsonaro cometer quebra de decoro ao disparar ataques contra um jornalista, o deputado federal Paulo Teixeira usou suas redes sociais para defender o impeachment do ocupante do Planalto. "A agressão aos jornalistas por parte de Bolsonaro configura crime de responsabilidade", disse ele

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após Bolsonaro cometer quebra de decoro ao disparar ataques contra um jornalista, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) usou suas redes sociais para defender o impeachment do ocupante do Planalto. "A agressão aos jornalistas por parte de Bolsonaro configura crime de responsabilidade e pode ser motivo de impeachment", disse ele. 

Entenda: 

Descontrolado, Jair Bolsonaro fez seguidos ataques a jornalistas diante na entrada do Palácio do Alvorada, na manhã desta sexta-feira (20) ao parar para conversar com apoiadores. Ele atacou seguidamente um repórter de O Globo que o questionou se ele teria comprovante de um empréstimo de R$ 40 mil que alega ter feito o amigo Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho o senador Flávio Bolsonaro. “Oh rapaz, pergunta para a tua mãe o comprovante que ela deu para o teu pai, tá certo?”, atacou Bolsonaro.

Em outro momento da discussão, fez uma agressão homofóbica ao mesmo jornalista: : “Você tem uma cara de homossexual terrível, nem por isso eu te acuso de ser homossexual. Se bem que não é crime ser homossexual”. A outro reporter interrompeu: "Fica quieto que eu estou respondendo".

Veja: 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247