Queiroga defende sua agressão aos brasileiros: "quem fala o que quer, ouve o que não quer”

Ministro da Saúde insultou o povo brasileiro e os 600 mil mortos por covid-19 ao mostrar o dedo do meio aos manifestantes e hoje defendeu seu gesto obsceno

(Foto: Walterson Rosa/MS)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comentou a repercussão do seu descontrole ao fazer gesto obsceno para brasileiros em Nova York, na última segunda-feira (21), que faziam protesto contra Jair Bolsonaro. 

Ao ser confrontado com protestos, Queiroga se levantou da poltrona no ônibus e mostrou o dedo do meio, num gesto obsceno que não necessita de explicação.

De acordo com Queiroga, "quem fala o que quer, ouve o que não quer". "Mas este é o assunto que menos me preocupa, neste momento. Estou preocupado, mesmo, é com minha saúde", completou o ministro da saúde. 

PUBLICIDADE

Queiroga, que foi diagnosticado com Covid-19 e disse que sente apenas sintomas de uma “gripe leve”,  cumpre quarentena em hotel de luxo que deve custar ao menos R$ 30 mil só em diárias em Nova York. 

Nesta quarta-feira (22), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) encaminhou um ofício à Casa Civil da Presidência da República pedindo o isolamento de 14 dias de Bolsonaro e toda comitiva presidencial que teve contato com Queiroga. 

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email