Reaproximação entre Lula e Ciro é "união civilizacional", diz Flávio Dino

Ao elogiar o encontro entre o ex-presidente Lula e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou que é "importante ter uma união progressista, união popular, união civilizacional para proteger o Brasil da barbárie" que o governo Jair Bolsonaro representa

Flávio Dino, Lula e Ciro Gomes
Flávio Dino, Lula e Ciro Gomes (Foto: Divulgação | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse ter achado "muito positivo" o diálogo entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), candidato ao Palácio do Planalto em 2018. De acordo com o chefe do Executivo maranhense, "é importante ter uma união progressista, união popular, união civilizacional para proteger o Brasil da barbárie, do atraso, das trevas que é o que o Bolsonaro e o bolsonarismo representam".

"Lula e Ciro são grandes lideranças. Eles conversarem é muito bom", afirmou o governador durante entrevista ao jornalista Fábio Pannunzio. "Eu achei muito positivo que haja esse diálogo. As diferenças são legítimas, mas vocês são testemunhas do tanto que eu tenho falado nisso, insistentemente, de uma união ampla, colocar consensos na frente de dissensos, convergências na frente de divergências, olhar mais para frente…", acrescentou.

Segundo Flávio Dino, o encontro terá impacto direto no segundo turno das eleições municipais desse ano. "Eu acho que abre um espaço que tem uma dimensão prática agora já para os segundos turnos das eleições municipais. Serão disputas bastante importantes em muitas capitais, cidades", continuou.

A reunião entre o ex-presidente e o pedetista aconteceu na sede do Instituto Lula, em São Paulo, no começo de setembro. O encontro foi intermediado pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT), aliado dos irmãos Ferreira Gomes em seu estado.

O ex-ministro Ciro Gomes defendeu o diálogo com Lula. "Considero-me mais que autorizado, sinto-me obrigado a construir, no que estiver ao meu alcance, o diálogo possível com quem for necessário para proteger a nação brasileira”, disse.

Ao se manifestar pelo afastamento de Bolsonaro, o ex-governador do Ceará afirmou ser necessário "promover o impeachment desse presidente genocida e irresponsável para proteger a democracia brasileira e punir seus reiterados crimes de responsabilidade".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247