TSE discute encerrar comissão para evitar uso político das Forças Armadas

Ministros do TSE avaliaram que militares querem tirar a credibilidade das eleições no Brasil

www.brasil247.com - Ministro Luís Roberto Barroso, TSE e as Forças Armadas
Ministro Luís Roberto Barroso, TSE e as Forças Armadas (Foto: ABr)


247 - Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) discutem o encerramento das atividades da Comissão de Transparência das Eleições (CTE), criada no ano passado pelo então presidente da corte, Luís Roberto Barroso, para a construção, junto com militares, de argumentos no intuito de rebater os ataques de Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral brasileiro. Mas, de acordo com a coluna de Mônica Bergamo, magistrados avaliaram que militares tentam tirar a credibilidade das eleições no Brasil. 

O ministro Luís Roberto Barroso disse, no final de abril, que as Forças Armadas "estão sendo orientadas para atacar o processo (eleitoral) e tentar desacreditá-lo"

Em nota divulgada nesta segunda, o TSE afirmou que "os prazos para alterações no processo eleitoral já foram excedidos".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta semana, o presidente do TSE, Edson Fachin, disse que não se pode tolerar ameaças ao sistema eleitoral brasileiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em fevereiro, Barroso comunicou à CTE que enviou respostas para as Forças Armadas sobre dúvidas técnicas apresentadas sobre o sistema de votação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A comissão é formada por representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), do Ministério Público Federal, da Polícia Federal, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Senado e por especialistas em tecnologia da informação e representantes civis de universidades como USP, FGV-Direito, Universidade Federal de Pernambuco e Unicamp.

Um ministro do STF afirmou que é preciso "descalçar essa bota" o mais rápido possível, para esvaziar o protagonismo indevido dos militares no tema.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um outro magistrado disse à coluna que a comissão "já deu o que tinha que dar".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email