Aliado de Bolsonaro, Lira ataca pesquisas e fala em punir institutos

Assim como Bolsonaro e seus seguidores, presidente da Câmara afirmou que institutos de pesquisas estariam agindo para prejudicar determinados candidatos

www.brasil247.com - Arthur Lira e Bolsonaro
Arthur Lira e Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)


247 - Aliado de Jair Bolsonaro (PL), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), se juntou aos ataques às pesquisas eleitorais, que mostram o ex-presidente Lula (PT) como favorito para vencer a eleição, até mesmo no primeiro turno.

Lira disse não ser aceitável resultados "tão divergentes" entre pesquisas e falou em punir institutos que supostamente estariam agindo para prejudicar algum candidato. "Nada justifica resultados tão divergentes dos institutos de pesquisas. Alguém está errando ou prestando um desserviço. Urge estabelecer medidas legais que punam os institutos que erram demasiado ou intencionalmente para prejudicar qualquer candidatura".

>>> Bolsonaro cai três pontos e Lula cresce cinco no Distrito Federal, aponta Ipec

"Não podemos permitir que haja manipulações de resultados em pesquisas eleitorais. Isso fere a democracia", completou.

Bolsonaristas têm se utilizado do mesmo argumento para desacreditar o resultado das pesquisas, que em maioria têm mostrado um cenário desfavorável ao atual governo. O clima de ataque aos institutos têm prejudicado o trabalho dos pesquisados, que têm sido ameaçados e até agredidos nas ruas do país.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email