Luis Miranda indica que irmão gravou mesmo reunião com Bolsonaro

"Estava com meu irmão [Luis Ricardo Fernandes Miranda, do Ministério da Saúde]. E não posso impedir que a pessoa ameaçada grave [uma conversa para se defender]", afirmou o deputado Luis Miranda ao comentar a possibilidade da conversa com Jair Bolsonaro em 20 de março ter sido gravada. O parlamentar denunciou um esquema de corrupção na importação da vacina Covaxin

www.brasil247.com - Luis Ricardo Miranda e Luis Miranda na CPI da Covid
Luis Ricardo Miranda e Luis Miranda na CPI da Covid (Foto: Pedro França/Agência Senado)


247 - O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) sugeriu que o seu irmão Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, pode ter gravado a conversa com Jair Bolsonaro em 20 de março na qual o tema foi o escândalo de corrupção da Covaxin. "Eu não estava sozinho na sala", disse o parlamentar à coluna de Mônica Bergamo. "Estava com meu irmão [Luis Ricardo Fernandes Miranda, do Ministério da Saúde]. E não posso impedir que a pessoa ameaçada grave [uma conversa para se defender]", acrescentou. "Se fosse eu, gravaria", disse o congressista ao ser questionado se o irmão gravou Bolsonaro.

A indicação de que o irmão teria gravado o encontro serve como um antídoto para o deputado Mirando, pois  deputados alinhados ao governo ameaçam levá-lo ao Conselho de Ética da Câmara se ele tiver gravado a conversa com Bolsonaro. Na terça (29), outro parlamentar, Daniel Silveira, foi afastado do cargo por dois meses por ter gravado uma reunião de seu próprio partido, o PSL.

O deputado Luis Miranda vem denunciando publicamente um esquema de corrupção na importação da vacina Covaxin. As negociações tinham um intermediário e sem vínculo com a indústria de vacina, a empresa Precisa. O valor da compra foi 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela fabricante

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O parlamentar havia dito que um lobista ligado ao líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), lhe ofereceu seis centavos de dólar por unidade do imunizante para que ele não denunciasse o esquema de corrupção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Emails também comprovaram que o Ministério da Saúde negociou oficialmente a venda de vacinas com representantes da Davat Medical Supply. Um membro da empresa disse ter recebido um pedido de propina de US$ 1 por dose em troca de assinar um contrato

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesta quinta-feira (1), senadores da CPI da Covid vão ouvir Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati Medical Supply.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email