Parlamentares reagem ao discurso de Bolsonaro: "lunático" e "irresponsável"

O pronunciamento em rede nacional de Jair Bolsonaro provocou a reação indignada de parlamentares de diversos partidos

Jair Bolsonaro e Congresso Nacional
Jair Bolsonaro e Congresso Nacional (Foto: Reuters)

Por Nathalia Bignon, para o 247 - Contrariando todas as medidas adotadas mundialmente para conter o avanço da pandemia do coronavírus, Jair Bolsonaro pediu o fim da quarentena e o retorno das atividades escolares e do comércio em um novo pronunciamento em rede nacional na noite desta terça-feira (24). A reação não poderia ser mais imediata. Políticos e congressistas de diferentes partidos foram unânimes em refutar a declaração do presidente.

“Quem tem consciência e responsabilidade está chocado com o pronunciamento de Bolsonaro. Já foram tantos absurdos, todos tão graves. E aí ele aparece em rede nacional para se exceder em estupidez. Que psicopatia o faz ter esse desejo de ver o povo exposto ao coronavírus ? Nenhum respeito pelos 46 mortos até aqui. Nenhuma preocupação com outros tantos que morrerão”, declarou o vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA). 

Colega de partido, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) também classificou como inacreditável a fala do mandatário. “Inacreditável esse pronunciamento de Bolsonaro. Ele insiste em tratar o coronavírus como uma ‘gripezinha’, critica o fechamento das escolas, ignorando o necessário isolamento social. Uma fala criminosa, irresponsável. Até agora não temos um plano de governo pra enfrentar essa crise. Presidente genocida!”, disse.

Líder do PSOL na Câmara, Fernanda Melchionna (RS) pediu o impeachment imediato de  Bolsonaro. “O problema não é só o lunatismo desse insano, mas o respaldo que sua declaração criminosa vai ter na vida das pessoas. Enquanto o Brasil precisa garantir direitos para decretar quarentena imediata, tem empresas que já estão defendendo que as pessoas voltem a trabalhar! Impeachment já!”, pediu, em repúdio.

David Miranda (PSOL-RJ) também engrossou o coro pelo pedido de afastamento. “O pronunciamento de Bolsonaro agora à noite impõe uma tarefa de sobrevivência a todos nós. É uma questão de vida ou morte derrubá-lo. É tirar Bolsonaro para salvar o país”, defendeu.

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, deputado Helder Salomão (PT-ES) preferiu classificar o pronunciamento como “show de irresponsabilidade”.  “Bolsonaro acaba de dar um show de irresponsabilidade em rede nacional: prega o desrespeito às recomendações da OMS, do Ministério da Saúde e das autoridades sanitárias em relação ao coronavírus. O Brasil caminha na contramão do mundo”, disse, no dia em que o mundo registrou mais de 16 mil mortes em decorrência da doença. 

Henrique Fontana (PT-RS) se mostrou impressionado com a falta de atenção dada aos trabalhadores do país. “Mais uma vez Bolsonaro atenta contra a saúde pública ao minimizar a pandemia do coronavírus. O presidente de uma nação devia colocar o povo como prioridade, não o dinheiro. A atitude do presidente é irresponsável e deslocada da realidade”, comentou.

Já André Figueiredo (PDT-CE) lembrou a decisão do Comitê Olímpico Internacional, anunciada hoje, confirmando o adiamento para 2021 dos jogos Olímpicos, que aconteceria em Tóquio. Inacreditável a fala do irresponsável do Bolsonaro! Por que cancelaram as Olimpíadas? Deviam ouvir Bolsonaro, pois segundo ele, pelo “histórico de atleta que tem”, se pegar, não vai precisar se preocupar. Então, supostamente, os atletas de hoje nem sequer vão tossir. Meu Deus, quanta irresponsabilidade, quanta imbecilidade!”.

Eleito pelo Cidadania, deputado federal Marcelo Calero  (RJ) compartilhou mensagens de que Bolsonaro havia reunido todas as falsas informações sobre a Covid-19 para fazer um discurso. “Mais uma vez, Bolsonaro demonstra que não está à altura do cargo. Preocupa-se em validar teorias conspiratórias em vez de liderar o país. Deslegitima as únicas medidas de prevenção em nome de um projeto de poder. De maneira nefasta, estimula comportamento que nos empurra ao abismo”, lamentou. 

Líder do PSB, deputado Alessandro Molon (RJ) pediu que os brasileiros desconsiderassem a fala do presidente. “Bolsonaro ultrapassou todos os limites! Falou em rede nacional, para 210 milhões de brasileiros, que eles não deveriam se preocupar com um vírus que mata milhares por onde passa. Disse pra voltarmos à normalidade. Não deem ouvidos! Fiquem em casa! É o que precisamos fazer juntos!”, pediu.

Camilo Capiberibe (PSB-AP) também questionou a razoabilidade do discurso. “O que foi o pronunciamento do Bolsonaro? Irresponsável, dá declarações discordantes das medidas do próprio governo no combate à Covid-19. Desconectado da realidade, despreza a experiência dos países que reduzem os casos com isolamento social. Ignora que sem povo, não há economia. Egoísta, sem solidariedade”, comentou.

Deputado federal eleito pelo NOVO, de Minas Gerais, preferiu comentar os panelaços, que há seis dias marcam as noites das cidades brasileiras. “Às 20h30, estava no meio de uma live, só ouvi as panelas. Há pouco fui assistir o pronunciamento do presidente, que vergonha. É inacreditável a falta de noção do seu papel, a irresponsabilidade e o uso indevido da Presidência para reforçar suas rixas pessoais”, declarou.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247