Defesa de Flávio Bolsonaro vai tentar anular investigação do Caso Queiroz

Com isso, todas as decisões do juiz de primeira instância Flávio Itabaiana serão anuladas. Ele é responsável pela prisão do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado | Divulgação/Polícia Civil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a mudança da instância que julga o caso das “rachadinhas” de Flávio Bolsonaro na Alerj, a advogada do senador, Luciana Pires, anunciou que vai tentar anular todas as decisões do juiz Flávio Itabaiana, que conduziu o processo na primeira instância, e prendeu Fabrício Queiroz e emitiu mandado de prisão para sua mulher, Márcia Queiroz.

"Como o Tribunal de Justiça reconheceu a incompetência absoluta do juízo de primeira instância, a defesa agora buscará a nulidade de todas as decisões e provas relativas ao caso desde as primeiras investigações. A defesa sempre esteve muito confiante neste resultado por ter convicção de que o processo nunca deveria ter se iniciado em primeira instância e muito menos chegado até onde foi", afirmou Pires.

Nesta quinta-feira, 25, a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu acatar o pedido de habeas corpus da defesa do senador Flávio Bolsonaro, que alegava incompetência do juiz para julgar o caso. Por dois votos a um, o processo saiu da primeira instância, do controle do juiz Itabaiana, e foi para o Órgão Especial do tribunal, na 2ª instância.

A relatora Suimei Cavalieri foi a única que se colocou contra o recurso da defesa do senador. Os desembargadores Paulo Rangel e Mônica Toledo foram favoráveis.

Os desembargadores, por outro lado, decidiram pela validade das decisões do juiz Flávio Itabaiana, que prendeu o ex-assessor Fabrício Queiroz e emitiu mandado de prisão contra sua mulher, Márcia Queiroz, que está foragida. Apenas Paulo Rangel foi contra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247