Freixo: negacionismo da Covid-19 está prolongando a nossa agonia

"A falta de planejamento responsável, a ausência de testes para rastrear os infectados e o negacionismo terraplanista estão prolongando a nossa agonia", afirmou o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ)

Marcelo Freixo
Marcelo Freixo (Foto: Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) alertou para uma segunda onda de infecções provocadas pelo coronavírus no estado do Rio de Janeiro e voltou a criticar o chamado "negacionismo" dos impactos de pandemia, como tem feito Jair Bolsonaro. 

"Segunda onda de contaminação no Rio? Quando terminou a primeira? A falta de planejamento responsável, a ausência de testes para rastrear os infectados e o negacionismo terraplanista estão prolongando a nossa agonia, agravando a crise econômica e, pior de tudo, matando", escreveu o parlamentar no Twitter.

O Rio é o terceiro estado com o maior número de confirmações (167 mil) de casos da Covid-19, atrás apenas de São Paulo (552 mil) e do Ceará (175 mil).

Bolsonaro já negou impactos da Covid-19 em algumas ocasiões. No dia 2 de junho, ele disse que "talvez tenha havido um pouco de exagero" na maneira como a pandemia foi tratada. Chegou a classificá-la como uma "gripezinha", em março, e perguntou "e daí?" ao ser questionado sobre os cinco mil mortos pela doença, em abril.

No mês passado, uma estimativa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que, se as aulas nas escolas voltarem a partir de agosto, o estado do Rio terá cerca de 3.000 novas mortes por causa do coronavírus. 

Foi levado em consideração o contato de alunos com pessoas de suas próprias casas em grupos de risco e que vão interromper o isolamento com os mais jovens de volta às unidades de ensino (veja aqui).

Atualmente, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de casos (2,7 milhões) e mortes (93 mil) provocadas pela Covid-19, perdendo somente para os Estados Unidos, com 4,7 milhões, e 158 mil óbitos. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247