Homem que exibiu símbolo nazista em Unaí, Minas Gerais, é identificado e será investigado

O pecuarista José Eugênio Adjuto foi a um bar com uma braçadeira exibindo uma suástica símbolo nazista utilizado por Hitler e seus seguidores. A PM chegou a ser acionada, mas sequer abordou o homem (vídeo)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O pecuarista José Eugênio Adjuto, conhecido como Zecão Adjuto, 57, será investigado pela Polícia Civil após ter ido a um bar em Unaí, Minas Gerais, com uma braçadeira que continha uma suástica, símbolo nazista utilizado por Hitler e seus seguidores na Alemanha.

O artigo 20º da lei 7.716, de 1989, trata da prática de "fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo” e prevê pena de prisão de de dois a cinco anos mais multa.

O episódio ocorreu no último sábado (14) e a história repercutiu após uma foto de Zecão Adjuto com o símbolo nazista ter parado nas redes.

Fransciso Adjuto, primo de José Eugênio Adjuto, disse que "abomina" a atitude do parente. “Abomino o que o meu parente fez, e, apesar de saber que ele enfrenta sérios problemas psíquicos de saúde, fato que é do conhecimento de várias pessoas que também o conhecem aqui na cidade, sei que ele agiu de maneira consciente, e, por isso mesmo, não passo a mão leve na sua atitude”, escreveu ele, pedindo desculpas à “sociedade unaiense”.

A Polícia Militar chegou a ser acionada, mas quando chegou ao local, não abordou o homem. Assista:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247