Cinemateca: Mário Frias tenta se esquivar de incêndio e joga culpa na "herança maldita do petismo"

Secretário Especial de Cultura tentou se esquivar da responsabilidade sobre o incêndio na Cinemateca com o argumento de praxe usado pelos bolsonaristas, mesmo após o MPF revelar que vinha alertando o governo federal sobre o risco há cerca de um ano

www.brasil247.com - Mario Frias e Cinemateca em chamas
Mario Frias e Cinemateca em chamas (Foto: Isac Nóbrega/PR | Reprodução/TV Globo)


247 - O secretário Especial de Cultura, Mário Frias, tentou se esquivar da responsabilidade do governo sobre o incêndio na Cinemateca Brasileira, ocorrido na noite desta quinta-feira (29), com argumento de praxe usado pelos bolsonaristas, ao culpar o PT como o fator da ineficiência da gestão federal.

Em publicação no Twitter, o secretário especial da cultura rebateu o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que disse que ele e "seu braço-direito", André Porciuncula, estão em Roma, na Itália.

“O estado que recebemos a Cinemateca é uma das heranças malditas do governo apocalíptico do petismo, que destruiu todo o estado para rapinar o dinheiro público e sustentar uma imensa quadrilha de corrupção e sujeira criminosa. Não tivessem feito isto, teríamos verba para criar mil novas Cinematecas”, escreveu. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, Frias não comentou a respeito do alerta feito pelo Ministério Público Federal, que havia notificado o governo federal para o risco de incêndio na Cinemateca Brasileira, sendo que a última reunião aconteceu há nove dias, em 20 de julho, entre representantes da União, do MPF e do Audiovisual com procuradores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O alerta constava em uma ação judicial apresentada pelo MPF-SP contra a União há um ano por abandono da Cinemateca. A promotoria questionava a falta de contrato para gestão da instituição e destaca problemas como risco de incêndio, falta de vigilância, atrasos nas contas de água e luz e de salários. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Perdas irreparáveis 

No prédio, localizado em São Paulo, capital, ficavam gravados 1 milhão de documentos da antiga Embrafilme, como roteiros, artigos em papel, cópias de filmes e documentos antigos. Alguns tinham mais de 100 anos e seriam usados na montagem de um museu sobre o cinema brasileiro. Trata-se do maior acervo audiovisual da América Latina, em cerca de 250 mil rolos de filmes.

Segundo um ex-funcionário da Cinemateca, foram perdidos no incêndio acervos da TV Tupi, Canal 100, Cinema Mundo e os primeiros registros do cinema brasileiro, feitos pelos Barões do Café. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email