Policiais do Rio mataram, em média, uma pessoa a cada dez horas desde 1998

De acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP), entre janeiro de 1998 e março deste ano, quase 21 mil pessoas morreram em confronto com a polícia no Estado do Rio

www.brasil247.com - Chacina do Jacarezinho
Chacina do Jacarezinho (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)


247 - O Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou um levantamento apontando que, entre janeiro de 1998, início da série histórica divulgada pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), e março deste ano, 20.957 pessoas morreram em confronto com a polícia no Estado do Rio, o que representa uma morte a cada dez horas, em média, nestes 23 anos. Nessa quinta-feira (6), uma operação policial no Jacarezinho, Zona Norte da cidade do Rio, terminou com 25 mortos. Um deles era policial civil. Foi a maior chacina da história da capital fluminense

Dos cinco anos com maior quantidade de mortos pela polícia, três são os mais recentes: 2019 (1.814 mortes), 2018 (1.534) e 2020 (1.245 mortos). Em  média, a polícia do Rio mata 873 pessoas em confrontos armados a cada ano. E as 20.957 pessoas superam os habitantes de 27 municípios fluminenses, de acordo com informações publicadas pelo jornal O Globo.

Levando em consideração os dez meses em que a polícia mais matou suspeitos, todos estão concentrados nos anos de 2018, 2019, 2020 e 2021. O mês com mais registros foi julho de 2019, com 195 mortes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email