Veja localiza esconderijo da mãe de Adriano da Nóbrega e coloca pressão sobre o clã Bolsonaro

Mãe do ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega, miliciano morto em operação policial, Raimunda Veras Magalhães, 70 anos, vive em Astolfo Dutra, no interior de Minas. O MP-RJ a considera testemunha-chave para revelar detalhes de um esquema que abasteceu a conta de funcionários fantasmas na Alerj, onde Flávio Bolsonaro cumpria mandato antes de ser eleito para o Senado

Adriano Magalhães da Nóbrega, Flávio Bolsonaro e Fabricio Queiroz
Adriano Magalhães da Nóbrega, Flávio Bolsonaro e Fabricio Queiroz (Foto: Reprodução | Ag. Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mãe do ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega, miliciano morto em fevereiro deste ano em operação policial na Bahia, Raimunda Veras Magalhães, 70 anos, vive na cidade de Astolfo Dutra, no interior de Minas Gerais. A informação foi publicada por Veja. Promotores consideram-na testemunha-chave para revelar detalhes de um esquema que abasteceu a conta de funcionários fantasmas, como ela mesma. O dinheiro tinha outros destinos. Tanto ela como a ex-mulher do policial trabalharam para o gabinete de Flávio Bolsonaro (Republicanos) quando o atual senador ocupava uma cadeira na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Suspeito de envolvimento com o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), o miliciano teria deixado algo em torno R$ 10 milhões em patrimônio para a mãe. Ele era dono de fazendas, casas, apartamentos, cavalos de raça, empresas, tudo em nome de laranjas. Dona Vera contribuiu com um depósito para a compra de uma das fazendas, no Tocantins. Também é sócia de três restaurantes na Zona Norte carioca. Em um deles, o filho tinha participação oficialmente.

O MP chegou a tentar notificar Raimunda batendo à porta de uma filha, que não revelou onde estava a mãe. Para saber o seu local de moradia, investigadores rastrearam o celular de Márcia Aguiar, mulher de Fabrício Queiroz, o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos).

Em dezembro de 2019, Márcia foi ao encontro de Raimunda, junto com o advogado Luis Gustavo Botto Maia. A ideia era fazer um plano de fuga para a família Queiroz. "Não tenho nada para dizer. Perdi meu menino e não quero mais papo com ninguém", esquivou-se ela ao encontrar a reportagem de Veja. 

Alguns vizinhos definem Dona Vera como "arquivo vivo". "A gente tem medo que venha alguém aqui, saia metralhando e acabe sobrando para quem estiver por perto", afirmou um deles. 

De acordo com o MP, com base no rastreamento de seu celular, que ela não ia ao emprego. Era "assessora fantasma", o que é negado pela defesa. 

Sua defesa sustenta que isso não procede, já que Raimunda sempre trocava de celular por recomendação do filho.

Flávio Bolsonaro e Queiroz

Queiroz foi preso no dia 18 de junho em Atibaia (SP), onde estava escondido em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, então advogado de Flávio - depois ele deixou a defesa do parlamentar. Segundo relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz fez movimentações financeiras atípicas. Foram R$ 7 milhões de 2014 a 2017, apontaram cálculos do órgão. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247