"Precisa responder criminalmente", defende Pimenta sobre possível afastamento de Dallagnol da Lava Jato

CNMP acatou representação protocolada pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO) e finalmente deverá afastar Deltan Dallagnol da coordenação da força-tarefa da Operação Lava Jato. "Um sujeito como esse nos quadros do Ministério Público é uma ameaça à sociedade e à democracia. Ele precisa ser afastado do serviço público e responder na Justiça pelos crimes que cometeu”, defende o líder do PT, deputado Paulo Pimenta

Paulo Pimenta e Deltan Dallagnol
Paulo Pimenta e Deltan Dallagnol (Foto: Câmara dos Deputados | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Conselho Nacional do Ministério Público acatou a representação protocolada pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO) e finalmente deverá afastar o procurador Deltan Dallagnol da coordenação da força-tarefa da Operação Lava Jato. 

O procurador-geral da República, Augusto Aras, entretanto, busca uma saída honrosa para Dallagnol (leia mais no Brasil 247). Segundo a coluna Radar, da Veja, ideia inicial era tentar levar Deltan para Brasília, onde ele atuaria na própria PGR. "Mas os defensores dessa saída foram logo convencidos pelos adversários de Deltan de que sua presença poderia causar problemas com o STF", diz a coluna.

Patra a bancada do PT na Câmara, Deltan Dallagnol precisa afastado de suas funções como procurador e responder criminalmente pelas ilegalidades reveladas pela Vaza Jato. 

“Afastamento de Deltan Dallagnol do comando da Lava Jato é pouco. Um sujeito como esse nos quadros do Ministério Público é uma ameaça à sociedade e à democracia. Ele precisa ser afastado do serviço público e responder na Justiça pelos crimes que cometeu”, disse o deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara.

Para o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), “Deltan está colecionando derrotas depois que foi escancarada a farsa da prisão de Lula”. 

Para a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann (RS), o possível convite a Deltan “é o fim da picada, um agente público faz o que faz e ainda é poupado. Esse corporativismo desmoraliza tudo. Tinha que ser punido de forma pedagógica para ninguém mais usar o cargo politicamente”, afirmou a deputada.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247