Sul

Enchentes afetaram mais de 80% da atividade econômica do Rio Grande do Sul, diz Fiergs

Segundo a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul. os 336 municípios afetados pelas chuvas correspondem a mais de 80% da economia estadual

Imagem Thumbnail
Avião de carga em aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre 7/5/2024 REUTERS/Wesley Santos (Foto: REUTERS/Wesley Santos)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - As enchentes que assolam o Rio Grande do Sul afetaram mais de 80% da atividade econômica gaúcha, segundo estimativas  da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). “As perdas econômicas são inestimáveis no momento. Uma infinidade de empresas teve suas dependências completamente comprometidas. Além dos danos gigantescos de capital, os problemas logísticos devem afetar de forma significativa todas as cadeias econômicas do estado”, disse o presidente em exercício da Fiergs, Arildo Bennech Oliveira, segundo o jornal O Globo

De acordo com a Fiergs, cerca de 67% dos municípios do estado foram atingidos pelas enchentes, dificultando a produção e a circulação de mercadorias. Um estudo preliminar realizado pela Unidade de Estudos Econômicos (UEE) da Fiergs revelou que os 336 municípios afetados pelas chuvas correspondem a mais de 80% da economia estadual.

 “De forma geral, a expectativa é que o estado de calamidade no estado, além das perdas humanas, causou prejuízos econômicos vultosos: estão nas cidades afetadas 86,4% dos estabelecimentos industriais, 87,2% dos empregos , 89,1% das exportações da indústria de transformação e 83,3% da arrecadação de ICMS com atividades industriais”, destaca a reportagem.

Além dos prejuízos materiais, Oliveira alertou para as dificuldades necessárias à recuperação da infraestrutura prejudicada pelas inundações. Além da desobstrução,será preciso reconstruir estradas, pontes, vias férreas, além de outros equipamentos, como o aeroporto Salgado Filho, que está completamente alagado. A Fiergs alerta que sem a adoção de medidas excepcionais por parte das autoridades, a perspectiva é o fechamento de muitos postos de trabalho.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As áreas mais afetadas incluem diversos polos industriais do estado. Na Região da Serra, conhecida por sua produção metalmecânica e de móveis, estão empregadas 115 mil pessoas. Já na Região Metropolitana, com foco em segmentos como metalmecânica, derivados de petróleo e alimentos, há 127 mil empregados. No Vale dos Sinos, destaca-se a produção de calçados, com 160 mil trabalhadores. Nas regiões do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari, respectivamente, alimentos, tabaco, calçados e químicos são os principais setores afetados.

Diante das dificuldades enfrentadas pelas indústrias e trabalhadores, a Fiergs buscou apoio junto ao Ministério do Trabalho, pleiteando medidas emergenciais. Entre as sugestões apresentadas estão a redução da jornada de trabalho e salário, suspensão temporária do contrato de trabalho, antecipação de férias individuais, concessão de férias coletivas e suspensão da exigibilidade dos recolhimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO