Guedes e Bolsonaro são os verdadeiros parasitas, diz Requião

"Os verdadeiros parasitas são os detentores do capital financeiro, o capital vadio, que não produz um bem econômico, não emprega uma pessoa, vive de juros", afirmou o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR). "Quem representa o capital financeiro no Brasil hoje é o Bolsonaro através de seu ministro Guedes", disse

(Foto: Esq.: Ag. Senado / Dir.: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Uma das principais vozes contrárias ultraneoliberalismo que voltou com força no Brasil após o golpe de 2016 contra Dilma Rousseff, o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) criticou Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, após o ministro da Economia dizer que os servidores públicos são 'parasitas'. "Os verdadeiros parasitas são os detentores do capital financeiro, o capital vadio, que não produz um bem econômico, não emprega uma pessoa, vive de juros. Quem representa o capital financeiro no Brasil hoje é o Bolsonaro através de seu ministro Guedes", escreveu o ex-parlamentar no Twitter.

Em nota, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal disse repudiar "a estratégia sistemática de apontar os servidores públicos brasileiros como culpados dos problemas nacionais, silenciando sobre as causas verdadeiras, bem como a de difundir notícias inverídicas a respeito". De acordo com a entidade, Guedes, "parece nutrir ódio crescente pelos agentes públicos. E com ódio nada se constrói".

"Demonizar o servidor público é destruir as instituições e o próprio país. A quem interessa a desvalorização do serviço público?", questiona a entidade.

Em palestra no seminário Pacto Federativo, promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Guedes afirmou, nesta sexta-feira (7), que "o funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo". "O hospedeiro está morrendo. O cara (funcionário público) virou um parasita e o dinheiro não está chegando no povo", disse o titular da pasta. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247