Já como presidente, Bolsonaro fez propaganda para a Alfacon, escola de curso para policiais que ensina tortura

Quem também tem relação com a escola é Eduardo Bolsonaro. Foi lá que o deputado afirmou que bastariam um cabo e um soldado para fechar o STF

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Evandro Bitencourt Guedes
Jair Bolsonaro e Evandro Bitencourt Guedes (Foto: Reprodução | Reprodução/@AlfaConCP)


247 - O ativista do movimento negro Douglas Belchior revelou pelo Twitter neste sábado (28) que Jair Bolsonaro (PL), já como presidente da República, fez propaganda para a Alfacon, uma escola de curso preparatório para corporações de polícia. 

Nos últimos dias circularam pelas redes sociais vídeos em que professores da Alfacon aparecem ensinando seus alunos a como violentar as pessoas durante abordagens. Em um dos vídeos, o policial rodoviário Ronaldo Bandeira explica como transformar uma viatura policial em uma "câmara de gás", exatamente o mesmo método utilizado por policiais rodoviários federais de Sergipe para matar Genivaldo de Jesus.

O vídeo de propaganda da Alfacon gravado por Bolsonaro foi publicado, segundo Belchior, no perfil do Instagram de um dos sócios da escola, Evandro Bitencourt Guedes.

O ativista também revelou que Guedes é amigo do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Foi durante participação em uma aula da Alfacon que o parlamentar afirmou que bastariam um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247