Einstein recomenda que médicos do hospital não usem cloroquina contra coronavírus

Hospital Albert Einstein informou que nunca teve protocolo para uso da cloroquina, mas que médicos receitavam a droga fora do que é indicado na bula

(Foto: REUTERS/George Frey)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul da cidade de São Paulo, recomendou o corpo médico de não prescrever a cloroquina para tratamento da Covid-19, através de um comunicado emitido na quinta-feira (25). De acordo com hospital, nunca teve protocolo para uso do medicamento, porém os médicos receitavam a droga fora do que é indicado na bula (off label). A informação é do portal G1. 

A medida da unidade hospitalar demonstrou a falta de embasamento no discurso de Jair Bolsonaro, que já fez lobby para o uso o medicamento, mesmo sem comprovação científica. 

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o modo “off label” de aplicação de um remédio acontece quando uma droga é prescrita para tratar uma indicação que não está prevista na bula. 

"O uso off label de um medicamento é feito por conta e risco do médico que o prescreve, e pode eventualmente vir a caracterizar um erro médico, mas em grande parte das vezes trata-se de uso essencialmente correto, apenas ainda não aprovado”, afirmou a instituição.

O Ministério da Defesa havia dito que há 1,8 milhão de comprimidos de cloroquina em estoque no Laboratório do Exército. O valor representa cerca de 18 vezes a produção anual do medicamento nos anos anteriores. Além dessa quantia do medicamento em estoque, há um milhão de comprimidos já direcionados ao Ministério da Saúde. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247