Ciro beijou a cruz da Faria Lima e quer ser o Bolsonaro de 2022

"A agressão a Dilma é o pedágio pago por Ciro Gomes aos golpistas de 2016 para ser o candidato da direita no próximo ano, caso Jair Bolsonaro não consiga chegar ao segundo turno", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

Jair Bolsonaro com apoiadores, ex-ministro Ciro Gomes e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Jair Bolsonaro com apoiadores, ex-ministro Ciro Gomes e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Reprodução | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

O candidato Ciro Gomes, do PDT, tentará ser, em 2022, o que Jair Bolsonaro foi em 2018: o candidato da misoginia, das fake news e do discurso de ódio. Só isso explica sua manobra mais arriscada, que foi a entrevista concedida ao jornal Estado de S. Paulo, em que espalhou uma mentira tosca (a de que o ex-presidente Lula teria conspirado para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff) e também agrediu Dilma de forma covarde, provocando reações indignadas de lideranças como Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, Jandira Feghali e Luciana Boiteaux, que condenaram sua misoginia e seu machismo.

Assessorado pelo marqueteiro João Santana, o movimento queima de vez as pontes do cirismo com a esquerda e com todas as mulheres que lutam por democracia no Brasil,  mas tem uma certa lógica. Com índices que variam entre 5% e 10%, a depender da pesquisa, Ciro bloqueia o crescimento da terceira via dos sonhos do mercado, que seria a candidatura do PSDB, seja ela com João Doria, governador de São Paulo, ou com Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul. Sua nova aposta parece ser a de que Jair Bolsonaro continuará derretendo e de que ele não será candidato ou será ultrapassado por ele próprio. Só isso explica a afirmação de que se arrepende por não ter apoiado o golpe de 2016, contra a ex-presidente Dilma.

Explico melhor: defender o golpe de 2016, que mudou a política de preços da Petrobrás e atirou milhões de brasileiros numa situação de fome e miséria, é um ponto de honra para as elites golpistas do Brasil, que lideraram a campanha antidemocrática de cinco anos atrás, em associação com setores do capital financeiro internacional. Ao assumir sua nova posição, Ciro beijou a cruz da Faria Lima para tentar se viabilizar como o adversário de Lula em 2022.

PUBLICIDADE

É uma aposta de altíssimo risco e que provavelmente fracassará, porque Ciro só será aceito pela direita brasileira caso seja a última carta disponível no baralho. Além disso, seus métodos claramente bolsonaristas constrangem aliados e dificultam acordos com nomes do Psol e do PSB, que ainda não fecharam com Lula. E mesmo que Ciro consiga suplantar Bolsonaro, o que hoje parece altamente improvável, suas chances de sucesso contra Lula parecem diminutas. É possível até que, dado o comportamento irascível e imprevisível de Ciro, setores da burguesia prefiram um terceiro mandato de Lula, que já é conhecido, moderado e hoje busca alianças com o chamado "centro".

De positivo, a entrevista de Ciro serviu apenas para rasgar sua fantasia. Jair Bolsonaro é um Bolsonaro já conhecido. Ciro Gomes é um Bolsonaro que se travestia de progressista. Melhor que ele já tenha se assumido como realmente é, para que não alimente mais ilusões em setores nacionalistas ou da esquerda brasileira.

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email