Distritão é retrocesso antidemocrático

O "distritão" faz com que os partidos se concentrem somente nos candidatos mais fortes. Isso dificulta a renovação nas próximas eleições, personaliza ainda mais o voto e se torna interessante apenas aos líderes partidários e aos candidatos famosos ou ricos. É mais uma barreira para a participação popular, mais um grande retrocesso para a nossa já tão surrada democracia

Vista geral do plenário da Câmara dos Deputados 2/8/2017 REUTERS/Adriano Machado
Vista geral do plenário da Câmara dos Deputados 2/8/2017 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Reginaldo Lopes)

O modelo político chamado de "distritão", que será votado na semana que vem em Plenário na Câmara dos Deputados é mais um retrocesso disfarçado de modernização. A tese de que o modelo acabaria com os chamados "puxadores de voto" simplesmente com a eleição dos mais votados pode soar bem aos ouvidos, mas não passa de mais uma arma da velha política, justamente o que tem que ser combatido. Um truque. Arrisco dizer: mais um golpe.

Os partidos, como se sabe, passam por uma profunda crise de representatividade, que o "distritão" só faz aprofundar, uma vez que os enfraquece ainda mais. Uma democracia sólida exige partidos organizados, fortes e com um projeto claro a ser apresentado à sociedade. O que querem aprovar destrói um importante instrumento de participação coletiva na política em detrimento do individualismo e dos interesses econômicos.

A Reforma Política que o país precisa deve apontar para a necessidade de ressignificar os partidos, combater a corrupção, além de acabar com as siglas de aluguel, ressignificando, também, a própria democracia.

É justo que as legendas mais votadas tenham maior representação nos parlamentos. Isso ajuda a estabilidade política e obriga os partidos a se posicionarem claramente perante a um determinado governo ou determinada proposta. Assim, o muro não ficaria tão largo para caber tantos partidos em cima dele. Seria necessário um posicionamento não meramente fisiológico. Os votos dados a uma corrente de pensamento devem ajudar a eleger o máximo de deputados e vereadores possíveis daquela corrente e não se concentrar em um ou dois candidatos mais conhecidos.

O "distritão" faz com que os partidos se concentrem somente nos candidatos mais fortes. Isso dificulta a renovação nas próximas eleições, personaliza ainda mais o voto e se torna interessante apenas aos líderes partidários e aos candidatos famosos ou ricos. É mais uma barreira para a participação popular, mais um grande retrocesso para a nossa já tão surrada democracia.

A contribuição histórica dada pelo Partido dos Trabalhadores foi, sem dúvidas, a inclusão social e política que resultou em maiores demandas sociais, cujas consequências exigiram uma maior democratização do poder político. Uma massa de novos consumidores- cerca de 40 milhões de pessoas- ajudou o Brasil a ganhar confiança em si e promover seu despertar na comunidade internacional, firmando-se como partícipe influente na nova geopolítica global. Um chamado player.

O golpe político das elites visou barrar esse movimento social renovador, por diferentes frentes. Impedir o avanço progressista se tornou a principal agenda daqueles que mais se beneficiam do modelo de desenvolvimento econômico concentrador de renda e poupador de mão de obra.

Os trabalhadores expulsos do mercado de trabalho já alcançam os 20% da população economicamente ativa, se levarmos em consideração os formais e informais, sucateados pela bárbara política em marcha.

Emergiu, no lugar da prioridade ao social, a missão antissocial e antinacional de favorecer interesses externos, empenhados na privatização dos nossos principais ativos; como as estatais de eletricidade, petróleo, gás, terras, biodiversidade e energias diversificadas, bem como nosso processo de industrialização, pelo empobrecimento econômico, refletido na destruição do poder de compra dos salários.

O governo ilegítimo e neoliberal de Temer é a cara do "distritão", como regra de promoção da exclusão social na representação política.

Trata-se da consagração da elite, cuja estratégia econômica, leva o Brasil para o passado, para a República Velha, quando os direitos sociais e econômicos eram considerados questão de polícia.

Defendemos um sistema eleitoral inclusivo, com base ampla de participação da nossa população em sua diversificação social. A fixação da paridade de gêneros, é um exemplo disso.

Nada disso é possível, se prevalecer os interesses da maioria parlamentar conservadora, interessada, prioritariamente, em elitizar a representação legislativa, que sustenta o governo ilegítimo, cuja missão, no poder, há 13 meses, é a de segregar social e economicamente o país.

Desse modo, não podemos, de jeito nenhum, concordar com proposta do "distritão", modelo eleitoral elitista, que visa, sobretudo, barrar tudo aquilo que construímos, para o avanço da nossa democracia.

Teremos, com o "distritão", um Congresso ainda mais conservador, mais voltado à maior concentração de renda, mediante rendição aos interesses do mercado financeiro especulativo, como já se evidencia pelas ações da maioria parlamentar que aprovou a contrarreforma trabalhista e se prepara para aprovar a Reforma da Previdência.

Nosso Congresso, com essa tentativa de eternizar prioridade à elitização política, se afundará, ainda mais, no descrédito popular, marchando na contramão dos interesses populares, cuja principal demanda é, sem dúvida, democratização do poder político.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247