Jesus, o rei dos ladrões bolsonaristas

Voltando ao caso de corrupção no MEC, a prisão de Milton Ribeiro foi como uma facada reversa nas pretensões de Bolsonaro se reeleger

www.brasil247.com - Milton Ribeiro
Milton Ribeiro (Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República)


A prisão do pastor evangélico Milton Ribeiro, ex-ministro da educação do governo Bolsonaro, prova que a moral cristã e os princípios éticos do bolsonarismo não passam de uma distopia social, que transforma Jesus Cristo em um ícone do crime organizado cristão. Não que o cristianismo europeu já não tivesse adotado tal conduta ao longo da história, tendo a hipocrisia e a ganância como profissões de fé e culto. As cruzadas e a santa inquisição não me deixem mentir. Porém, devo confessar o espanto que me toma por presenciar, em pleno século 21, um medievalismo ideológico requentado na fogueira santa do templo de Salomão do Brás, ainda conseguir exercer tamanha influência social, cultural e política, so bre boa parte da população. O estado neopentecostal de direito, o “i have a dream” dos grandes líderes evangélicos brasileiros, é uma ameaça, não só à democracia, mas às liberdades individuais.

Quando começaram a surgir rumores de corrupção no MEC, envolvendo o então ministro Milton Ribeiro e mais dois pastores evangélicos, Gilmar Santos e Arilton Moura, Bolsonaro declarou que depositava tanta confiança em seu ministro, que colocaria “a cara no fogo” por ele. Ao seu lado, apoiando a sua autoincendiaria afirmação, estava Damares Alves, devidamente vestida de rosa, então também ministra do seu governo, conhecida por ser uma mulher terrivelmente cristã e defensora da moral e dos bons costumes. Não colocando a cara no fogo pelo ministro, mas jogando a responsabilidade para Deus esclarecer os fatos, a primeira dama, Michele Bolsonaro, disse que o todo poderoso iria provar a inocência do seu apadrinhado no MEC. Ao que tudo indica, Deus não é cúmplice dessa quadrilha, e deve ter revelado à Polícia Federal o envolvimento do pastor em irregularidades na pasta sob o seu comando.

O envolvimento de pastores e de líderes evangélicos em diversas ilicitudes, não é nenhuma novidade por aqui. Assim também como não são inéditas as narrativas construídas por suas ovelhas, para tentar associar os desvios de caráter de seus “domadores” à uma suposta perseguição ao nome de Jesus e a um doutrinário ódio aos cristãos. Pura bobagem! Se esses cristãos fossem perseguidos no Brasil, não estaríamos presenciando essa versão gospel de Ali babá e os 40 ladrões, que coloca, inescrupulosamente, a figura de Jesus Cristo como protagonista desse saque à dignidade, à inteligência, à liberdade, à cidadania e ao bolso de milhões de pessoas. Eu não estaria exagerando se disse sse que pastor é sinônimo de picareta. Com raríssimas exceções. De uma forma ou de outra, estão mentindo para os seus seguidores. Porque o cristianismo, ao contrário de Jesus Cristo, é uma mentira, uma farsa criada para manter o povo, principalmente, os mais pobres, resignados e sob controle.

Se me permitem o interlúdio textual, gostaria de saber se algum dos leitores já presenciou algum homem rico e bem trajado, ou alguma madame anti-lulista alicerçada no salto plataforma, caírem dentro de algum templo neopentecostal, manifestados por espíritos zombeteiros que, sob ordem expressa do pastor exorcista, são obrigados a confessar os planos macabros que tinham para aquela economicamente favorecida alma. Eu nunca vi, e creio que vocês também nunca verão. Isto, porque, de forma subliminar, a pobreza é vista nessas seitas como algo demoníaco e abominável. Mesmo a grande maioria das ovelhas que se submetem ao cajado desses falsos pastores sendo pobres. A tal da teologia da prosperidade explica. Só os mais pobres têm demônios para serem expulsos de seus corpos e almas. Ainda qu e estes sejam honestos, que não estejam envolvidos em crimes de corrupção e nunca tenham pedido quilos de ouro em troca de um favor político, eles sempre serão os potenciais endemoniados. Talvez, a fidelidade do dízimo de 10% de sua pobreza, possam lhes conceder a libertação e a salvação.

Voltando ao caso de corrupção no MEC, a prisão de Milton Ribeiro foi como uma facada reversa nas pretensões de Bolsonaro se reeleger. Ao contrário de Adélio, os pastores enfiaram a faca no bucho do presidente e rodaram. Se no ataque de 2018 não houve sangramento, dessa vez está praticamente impossível estancar o mar de corrupção que sai das entranhas do bolsonarismo, que sempre tentou se esconder por trás da bandeira da honestidade. De incomível e inbrochável, o presidente é obrigado a assistir passivamente o arrombamento da sua prepotência e a impotência da sua já contestada credibilidade. Logo ele, que definiu a próxima eleição como a luta entre o bem e o mal, se colocando mais uma vez como um defensor do nome de Jesus na polític a brasileira. Bolsonaro e sua caterva medieval transformam Jesus Cristo no rei dos ladrões. Tudo bem que ele perdoou o ladrão que foi crucificado ao seu lado na cruz. Mas o cara se arrependeu e pediu perdão por ter roubado. O que não é o caso dos pastores que formam a bancada evangélica, uma das bases do seu governo.

Mais do que nunca, qualquer um que se diga seguidor da ideologia de Jesus Cristo deve, por honra e dignidade, se afastar do bolsonarismo e desses pastores cobiçadores do ouro que o dinheiro púbico pode lhes oferecer. Não é uma questão de opinião, não é ser de esquerda ou de direita. É ter bom caráter e vergonha na cara. Não deveria haver nada mais podre, sórdido, diabólico e abominável, do que usar o nome de Deus para legitimar crimes cometidos contra a sociedade. No entanto, não vemos nenhuma cantora gospel famosa emitindo nota de repúdio condenando esses pilantras ao inferno e se recusando a cantar em seus templos. O corporativismo “evangélico” fala mais alto. É o evangelho sartriano, onde “o inferno são os outros” e eles, m esmo que com a marca da besta na testa, ainda tentam se passar por santos. E ainda dizem que Deus castiga quem zomba do seu nome. Se castigasse mesmo, não sobraria pastor sobre pastor e Milton Ribeiro não teria sido posto em liberdade enquanto escrevo esse artigo. Fanáticos fundamentalistas dirão que a justiça divina o libertou por ser inocente. Mas sabemos bem que ele não tem nada de inocente e a justiça brasileira não tem nada de divina.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email