O Gato e o Galo

Colunista Moisés Mendes ressalta o fato de que os antifascistas que tocaram fogo na estátua de Borba Gato não são estudantes, mas “ex-estudantes que pararam de estudar para se virar sobre motos e bikes”. Para ele, “parte das esquerdas reage com a cabeça do século 20” ao criticar o ato

Paulo Galo
Paulo Galo (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Moisés Mendes, do Jornalistas pela Democracia

Não, os militantes antifascistas do pós-golpe de 2016 não são, como alguns esperavam, os estudantes dos institutos federais que desfrutam dos acessos multiplicados ao ensino superior pelos governos de Lula e Dilma.

Os militantes antifascistas que põem fogo no Borba Gato são os motoboys de aplicativos, a expressão do trabalho precarizado por exploradores que não pagam salários, nem férias, nem FGTS, não pagam nada além dos centavos por quilômetros rodados.

PUBLICIDADE

Os antifascistas são ex-estudantes que pararam de estudar para se virar sobre motos e bikes. Poderiam estar praticando apenas a militância trabalhista, em nome da categoria.

Poderiam estar lutando por direitos que talvez nunca venham a ter, mas se meteram com questões políticas profundas, mesmo que apenas teóricas, simbólicas e, para alguns, até irrelevantes.

Ao ser preso nesta quarta-feira, Paulo Roberto da Silva Lima, o Paulo Galo, líder dos motoboys, admitiu ter participado do ataque à estátua.

PUBLICIDADE

Foi, disse ele, “para abrir o debate” de outra forma, porque a tentativa de retirada da estátua não vinha funcionando pelas vias ditas democráticas.

Temos de novo os trabalhadores propondo ações e reflexões que estudantes já não conseguem fazer. Mas não o clássico trabalhador assalariado, que enfrentava as fábricas e os bancos, nesse meio que produziu Lula e todo o lastro de construção orgânica do PT.

O motoboy dos aplicativos é o suburbano talvez nem tão suburbano e o pobre que também é da nova classe média empurrada para as ruas pelo fim dos empregos. Quantos sonharam em virar empreendedores.

PUBLICIDADE

A turma de Borba Gato vai se entender com esse contingente que ascendeu socialmente de 2003 a 2016 e vem sendo pisoteado pela direita no poder.

Está feita por eles a escolha para que a militância ganhe visibilidade. A gurizada da Revolução Periférica convoca inclusive as esquerdas para a provocação e tira muita gente boa da sesta.

E parte das esquerdas reage com a cabeça do século 20, que debate métodos e circunstâncias à moda antiga e acha que os incendiários de estátuas comprometem a luta política.

PUBLICIDADE

Os críticos são incapazes de pelo menos acolher e tentar entender o ativismo de quem viu brancos, instituições, classe média e militantes de partidos se encolherem desde agosto de 2016 que derrubou Dilma.

A esquerda preocupada com os esquerdismos da periferia ficou chocada com o atrevimento dos motoboys que decidiram provocar o debate com uma ação de alto risco.

São esses loucos, diz essa esquerda assustada, que podem pôr a perder as marchas pacíficas contra Bolsonaro. Tem gente batendo muito mais nos que enfrentaram Borba Gato do que no próprio Borba Gato e nos patrões de estátuas.

E os estudantes da universidade pública? Os estudantes estão estudando, porque alguém precisa estudar, enquanto os motoboys trabalham 12 horas por dia e ainda têm que enfrentar um bandeirante bandido e seus protetores.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email