O vento sopra para Lula

Para o jornalista Rodrigo Vianna, a pesquisa Quaest mostra que Lula pode ganhar no primeiro turno, além de impressionante “clivagem de classe” no voto. "Entre quem ganha até 2 salários mínimos, Lula tem 61% e Bolsonaro apenas 15%. Na classe média, ainda há empate técnico", afirma

www.brasil247.com - Ex-presidente Lula
Ex-presidente Lula (Foto: Ricardo Stuckert)


Por Rodrigo Vianna 

O Centrão de Arthur Lira parece agir como o bandido que, ao ver a casa pegar fogo, corre não para apagar o incêndio mas pra levar embora joias e talheres valiosos.

Inflação acumulada acima de 10%, fome, miséria e recessão à vista: o Brasil se desfaz. O Centrão, então, resolve ajudar e aprova a absurda PEC dos Precatórios, que sinaliza com calote, descontrole das contas e destruição do mais importante programa social da história: o Bolsa Família.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O resultado de tudo isso não poderia ser outro: a popularidade de Bolsonaro recua para o menor nível desde 2019, mostra pesquisa Quaest – encomendada pela corretora Genial (ressalto esse fato: não é pesquisa encomendada por partido ou ator político de oposição, mas por gente do mercado, e feita com seriedade técnica).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 A avaliação do governo Bolsonaro é a seguinte:

Negativa 56% (era 53% há um mês)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Regular 22% (era 24%)

Positiva 19% (era 20%).

Pela primeira vez, o apoio a Bolsonaro cai abaixo de 20 pontos, o que indica um governo perto da desagregação.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Importante: trata-se de pesquisa presencial, que segundo estudiosos capta melhor a avaliação junto ao povo mais pobre – que tem menos acesso à tecnologia. Foram entrevistadas 2.063 pessoas, entre os dias 3 e 6 de novembro/2021.

Lula pode ganhar em primeiro turno 

Outra notícia preocupante para Bolsonaro e seus aliados do Centrão: Lula abre vantagem inédita e pode ganhar no primeiro turno

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cenário 1

Lula 48%

Bolsonaro 21%

Moro 8%

Ciro 6%

Doria 2%

Pacheco 1%

A economia é o problema mais sério no país para 48% dos entrevistados pela Quaest/Genial; e Lula o mais preparado para resolver. Só 9% apontam a corrupção como tema central - o que mostra a dificuldade para Sergio Moro alavancar a candidatura, já que o ex juiz faz desse assunto o núcleo de sua falsa pregação política.

Lula cresceu também na pesquisa espontânea (quando não são apresentados nomes de candidatos aos entrevistados): foi a 29% em novembro (contra 22%, há um mês), e Bolsonaro tem apenas 16% (pouquíssimo para um presidente no exercício do cargo).

Gostaria de chamar atenção ainda para a impressionante clivagem de classe no voto dos brasileiros.

Entre quem ganha até 2 salários mínimos: Lula 61% x 15% Bolsonaro.

Entre quem ganha mais de 5 salários mínimos: Lula 34% x 32% Bolsonaro.

Ou seja, se dependesse só da classe média (quem ganha mais de 5 mil reais por mês) e dos ricos, teríamos empate técnico na eleição.  

Trata-se de um retrato evidente do abismo social e político no país. Na fatia mais “rica” da população (o sujeito que tem um carro com 10 anos de uso, mora num apto de 2 quartos e ganha 5 mil por mês é de classe média num país empobrecido pela devastação do período Temer/Bolsonaro), a ideia do salve-se quem puder e de que é melhor “tirar direitos”/armar o povo/sentar a porrada tem ainda muitos adeptos – apesar da tragédia administrativa bolsonarista.

Terceira Via e segundo turno

A pesquisa traz um dado que oferece esperanças à chamada Terceira Via. Quando se pergunta “quem você prefere que vença em 2022”, 46% apontam Lula e apenas 22% Bolsonaro; mas há um contingente de 25% que respondem “nem Bolsonaro, nem Lula”.  

Esse é o tamanho da Terceira Via, o que indica a possibilidade teórica de construir alternativa a Bolsonaro, ainda mais se a economia seguir se deteriorando.  

Mas vale ressaltar que Lula venceria num segundo turno, tanto contra Bolsonaro (57% x 27%), quanto contra Moro (57% x 20%).

Economia e Crise Social 

Por último, gostaria de manifestar uma pequena discordância em relação a meu colega Miguel do Rosário, que como sempre fez brilhante análise da pesquisa no blog Cafezinho.

Miguel disse que “os ventos são de esquerda”. Não acho que seja isso. O vento é de fome, miséria, descontrole inflacionário. O vento não sopra “para a esquerda”, mas contra o descalabro administrativo e social imposto por Bolsonaro.

Lula, por tudo o que fez no governo em 8 anos, e mais os 5 anos de Dilma com a marca do PT, é o antídoto contra a destruição.

Aliás, a pesquisa Quaest busca traçar o perfil ideológico dos brasileiros. E vejam o resultado: 24% se dizem de Direita, 18% de Centro e apenas 17% se definem como de Esquerda. O PT é, de longe, o partido com mais apoio: 19% se identificam com o Partido dos Trabalhadores, contra 2% para o PSDB e outros partidos não passam de 1%.

Ou seja: o PT e a esquerda têm apoio consistente de aproximadamente 1 a cada 5 brasileiros. Mas Lula é muito maior que isso e, para vencer, terá que falar para a imensa maioria de brasileiros moderados (e até conservadores).

O vento sopra para Lula.  

Se o Centrão (com Bolsonaro) parece o bandido que rouba a casa enquanto ela pega fogo, Lula é visto como o bombeiro que pode não apenas apagar o incêndio mas reconstruir o abrigo que teve suas estruturas abaladas por quase dez anos de golpismo, lavajatismo e neoliberalismo miliciano.   

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email