CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Jeffrey Sachs avatar

Jeffrey Sachs

Professor da Columbia University (NYC) e Diretor do Centro para o Desenvolvimento Sustentável e Presidente da Rede de Soluções Sustentáveis da ONU. Ele tem sido um conselheiro de três Secretários-Gerais da ONU e atualmente serve como Defensor da iniciativa para Metas de Desenvolvimento Sustentável sob o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

27 artigos

blog

Se os EUA e o Reino Unido tiverem alguma vergonha, darão as boas-vindas à Palestina como Estado-membro da ONU

"Já passou da hora de as duas potências que mais fizeram para destruir o Oriente Médio apoiarem o caminho para a paz", diz Jeffrey Sachs

(Foto: Reuters )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

(Publicado originalmente no Common Dreams)

Por Jeffrey D. Sachs e Sybil Fares 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nesta semana, os Estados Unidos e o Reino Unido têm a chance de corrigir décadas de erros geopolíticos flagrantes no conflito Israel-Palestina, dando as boas-vindas à Palestina como o 194º Estado-membro das Nações Unidas. Mais do que quaisquer outros países, os Estados Unidos e o Reino Unido destruíram o Oriente Médio com sua interferência contínua e arrogância imperial. Nesta semana, eles têm a chance de fazer algumas reparações.

Um total de 139 países já reconhecem o Estado da Palestina, mais de dois terços dos Estados-membros da ONU. Vários Estados europeus em breve se juntarão à lista. No entanto, até agora, os Estados Unidos bloquearam a adesão da Palestina à ONU, com o Reino Unido sempre seguindo a liderança dos Estados Unidos. Ambos apoiaram incansavelmente o domínio de apartheid de Israel sobre a Palestina e estão atualmente apoiando ativamente Israel na destruição horrível de Gaza.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nesta semana, provavelmente na sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU votará a favor da adesão da Palestina à ONU, caso os Estados Unidos e o Reino Unido não a bloqueiem mais uma vez com seu veto. Em 2011, a Palestina tinha o apoio do Conselho de Segurança da ONU para a adesão, exceto pelo fato de que os Estados Unidos forçaram os palestinos a aceitarem o status de "observador", prometendo que a adesão completa logo se seguiria - outra promessa enganosa por parte dos Estados Unidos.

Nenhum país no mundo fez mais para destruir o Oriente Médio do que o Reino Unido e os Estados Unidos. O papel principal certamente cabe à Grã-Bretanha, cujas maquinações imperiais na região remontam ao século XIX e continuam até hoje. A Grã-Bretanha manteve o Egito sob seu domínio por décadas, de 1880 até 1950. Prometeu enganosamente partes sobrepostas do Oriente Médio Otomano três vezes durante a Primeira Guerra Mundial: aos franceses (no Acordo Sykes-Picot), aos árabes (na Correspondência McMahon-Hussein) e aos sionistas (na Declaração Balfour), alegando destinar o que não era seu em primeiro lugar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Após a Primeira Guerra Mundial, a Grã-Bretanha tomou a Palestina para si sob um chamado mandato da recém-criada Liga das Nações, enquanto a França conquistou um mandato sobre o Líbano e a Síria. A Grã-Bretanha deixou a Palestina em frangalhos em 1947, mas continuou sua interferência implacável ao se unir à França e a Israel para invadir o Egito em 1956. A interferência da Grã-Bretanha também contribuiu para a destruição e desordem no Iêmen, Iraque e muitas outras partes do Oriente Médio.

Após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos pegaram onde a Grã-Bretanha parou, primeiro se unindo à Grã-Bretanha na derrubada de Mohammad Mosaddegh, primeiro-ministro do Irã, por meio do MI6-CIA em 1953, e depois continuando com uma longa carreira de operações de mudanças de regimes lideradas pela CIA - incluindo Afeganistão, Iraque, Síria e Líbia, entre outros. Ao longo de todo o período pós-guerra, os Estados Unidos foram os principais mediadores desonestos entre Israel e a Palestina - por exemplo, pedindo as eleições legislativas palestinas em 2006, mas depois boicotando e tentando derrubar o Hamas quando ele venceu essas eleições. Em 2011, quando a Palestina se candidatou à adesão à ONU e ganhou o apoio do comitê de adesão do Conselho de Segurança da ONU, os Estados Unidos pressionaram a Palestina para esperar e aceitar o status de observador, prometendo que a adesão completa logo se seguiria. Esta foi outra mentira.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Apesar de várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU ao longo dos anos que pediam uma solução de dois Estados para o conflito Israel-Palestina, os governos israelenses liderados por Benjamin Netanyahu rejeitaram descaradamente um Estado independente da Palestina. O gabinete atual de Netanyahu inclui extremistas de direita, como Bezalel Smotrich e Itamar Ben-Gvir, que defendem abertamente a limpeza étnica da Cisjordânia e de Gaza para criar um Grande Israel, do Rio Jordão ao Mar Mediterrâneo. Apesar das provocações incansáveis de Israel, das mortes rotineiras de palestinos (conhecidas popularmente como "cortar a grama"), violações repetidas do Conselho de Segurança da ONU e agora o massacre em Gaza, os Estados Unidos e o Reino Unido permanecem firmes em apoiar Israel e se opor à Palestina, como se nada estivesse errado.

A pergunta é se os Estados Unidos e o Reino Unido têm algum senso e alguma vergonha neste momento. Eles podem achar que estão apoiando Israel ao bloquear a adesão da Palestina à ONU, mas a verdade é que Israel está mais isolado e em perigo do que nunca por causa do extremismo do governo israelense, sua violência chocante contra o povo palestino e seu domínio de apartheid. Desde o início da guerra no outono passado, 33 mil palestinos são contados oficialmente como mortos, mas o número real de mortos é muito maior, com dezenas de milhares ainda enterrados sob os escombros ou mortos pela falta extrema de alimentos, água e assistência médica.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Infelizmente, nos últimos dias, os padrões duplos e as falsidades dos Estados Unidos e do Reino Unido têm sido totalmente evidentes. Os Estados Unidos e o Reino Unido se recusaram veementemente a condenar o bombardeio ilegalmente descarado de Israel no complexo diplomático do Irã em Damasco, Síria, em 1º de abril, mas depois condenaram severamente o Irã quando este contra-atacou duas semanas depois. Esta dupla moral absurda faz com que os Estados Unidos e o Reino Unido pareçam valentões grosseiros aos olhos do restante do mundo.

Depois de mais de um século de interferência do Reino Unido e dos Estados Unidos no Oriente Médio, é hora de ser honesto sobre os fatos e as soluções. Mais importante, dar as boas-vindas à Palestina como Estado-membro da ONU e implementar a solução de dois Estados, de acordo com o direito internacional, é o caminho para a paz, justiça e segurança tanto para Israel quanto para a Palestina. A maior parte do mundo apoia entusiasticamente essa solução. A questão é se o Reino Unido e os Estados Unidos irão vetá-la. Já passou da hora de as duas potências que mais fizeram para destruir o Oriente Médio apoiarem o verdadeiro caminho para a paz, dando as boas-vindas à Palestina como Estado-membro soberano da ONU agora, e não em um futuro lendário que sempre é bloqueado pelos extremistas israelenses.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO