"A categoria está no limite" diz líder caminhoneiro sobre ameaça de greve

“Fazemos reivindicações da categoria há três anos e o governo não fez nada. A categoria está no limite”, disse o caminhoneiro Wallace Landim, o “chorão”, que liderou a greve do setor em 2018

www.brasil247.com - Wallace Landim, o Chorão
Wallace Landim, o Chorão (Foto: Arquivo Pessoal)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O caminhoneiro Wallace Landim, conhecido como “chorão”, que liderou a greve da categoria em 2018, afirmou que a situação atual é pior que a registrada durante o governo Michel Temer e que o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados para alterar os índices das alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é apenas “transferência de responsabilidade”.

“Fazemos reivindicações da categoria há três anos e o governo não fez nada. A categoria está no limite”, disse Landim ao site Metrópoles. Os caminhoneiros planejam uma nova paralisação, em razão dos seguidos aumentos nos preços dos combustíveis, para o dia 1 de novembro.  

Segundo ele, o objetivo da greve é “lutar pela nossa sobrevivência, porque temos a informação de que a gasolina ia subir mais 8% até dezembro. Eles [o governo] não estão preocupados com o trabalhador, são negacionistas”. “A proposta que está sendo feita pelo governo é nada mais do que transferência de responsabilidade para os governadores. Não vai adiantar a longo prazo”, disse ele sobre a proposta que muda as regras do ICMS. 

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email