Banqueiros da Febraban seguem a Fiesp, abandonam Bolsonaro e assinam manifesto pela democracia

Na prática, a Febraban declara apoio ao ex-presidente Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto e pode vencer as eleições em primeiro turno

www.brasil247.com - Bolsonaro e Febraban
Bolsonaro e Febraban (Foto: Agência Brasil / Divulgação Febraban)


247 - A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) decidiu nesta quarta-feira, 27, assinar o manifesto 'Em Defesa da Democracia e da Justiça'. 

O documento apartidário é capitaneado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e defende valores democráticos, como a independência entre os Poderes. 

 “A Federação Brasileira de Bancos (Febraban), no âmbito de sua governança interna, por maioria, deliberou por subscrever documento encaminhado à entidade pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), intitulado ‘Em Defesa da Democracia e da Justiça’”, disse a entidade representativa dos bancos brasileiros, em nota. 

A decisão de assinar o manifesto reforça o isolamento de Jair Bolsonaro. Na prática, a Febraban declara apoio ao ex-presidente Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto e pode vencer as eleições em primeiro turno.

O manifesto das entidades empresariais deve vir a público no dia 11 de agosto em uma cerimônia na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, assim como outro manifesto divulgado na terça-feira, 26, de pessoas físicas a favor da democracia.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247