"Brasil precisa de uma junta médica", diz Santos Cruz sobre atrito de Bolsonaro com militares

"O Brasil precisa de uma junta médica. Só assim. Não tem nenhuma novidade em afirmar que as Forças Armadas são separadas do governo. As Forças Armadas não têm partido", afirmou o general Alberto dosSantos Cruz

Carlos Alberto dos Santos Cruz, Jair Bolsonaro com militares
Carlos Alberto dos Santos Cruz, Jair Bolsonaro com militares (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ex-ministro do governo, o general Alberto dos Santos Cruz afirmou “não ter visto novidades” nas declarações feitas por Jair Bolsonaro, pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e pelos comandantes militares, sobre a separação da política e as Forças Armadas

"O Brasil precisa de uma junta médica. Só assim. Não tem nenhuma novidade em afirmar que as Forças Armadas são separadas do governo. As Forças Armadas não têm partido", disse Santos Cruz de acordo com reportagem da coluna do jornalista Guilherme Amado, na Revista Época

As declarações de Bolsonaro, bem como as do ministro da Defesa, e dos comandantes das Forças Armadas -  general Edson Pujol (Exército), almirante Ilques Barbosa (Marinha) e o tenente brigadeiro do ar Antonio Carlos Moretti (Aeronáutica) – foram feitas após o presidente falar em usar “pólvora” para defender a Amazônia, em uma referência ao presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden. 

Na campanha eleitoral dos EUA, Biden ameaçou impor sanções ao Brasil caso o país não atuasse para reduzir os altos índices de desmatamento e queimadas na região da Amazônia Legal. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247