Governo Bolsonaro admite que ataques à China estão travando chegada de insumos para vacina ao Brasil

Integrantes da equipe econômica e do Ministério da Saúde afirmaram que "incidentes diplomáticos" atrasaram a chegada dos insumos para a produção da vacina de Oxford comprados da China. Ernesto Araújo, depois de todos os ataques, agora tem mantido contato diário com o seu correspondente chinês

(Foto: ABr | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Membros do alto escalão do governo Jair Bolsonaro admitem que a relação conturbada do País com a China tem impedido a importação de insumos para a produção das vacinas contra o coronavírus. O receio é o de que não chegue ao Brasil o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), princípio ativo da CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan (SP) em parceria com  o laboratório chinês Sinovac. De acordo com integrantes do governo, a ordem agora é para uma reaproximação com o governo chinês. Até o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, tem mantido contato diário com o seu correspondente chinês. A informação foi publicada pela CNN Brasil

Submisso ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Bolsonaro atacou a China em várias ocasiões. Um dos ataques aconteceu em outubro, quando ele disse que o governo não compraria vacina da país asiático. "Alerto que não compraremos vacina da China", disse. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou uma audiência de urgência com o embaixador da China, Yang Wanming, para falar sobre o atraso no envio de insumos para a fabricação de vacinas no Brasil.

Integrantes da equipe econômica e do Ministério da Saúde, comandado pelo general Eduardo Pazuello, afirmaram que "incidentes diplomáticos" atrasaram a chegada dos insumos para a produção da vacina de Oxford comprados da China.

De acordo com auxiliares do ministro da Economia, Paulo Guedes, o dosincidentes foi o ataque do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, em novembro do ano passado. Na época, o parlamentar disse que o governo brasileiro declarou apoio a uma "aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China".

Em nota, a embaixada chinesa no Brasil classificou a postagem do parlamentar como "totalmente inaceitável para o lado chinês e manifestamos forte insatisfação e veemente repúdio a esse comportamento". "A parte chinesa já fez gestão formal ao lado brasileiro pelos canais diplomáticos", acrescentou a embaixada chinesa.

Atualmente, o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking global de casos de coronavírus (8,5 milhões), atrás de Índia (10,5 milhões) e Estados Unidos (24,6 milhões). O governo brasileiro também registra a segunda maior quantidade de mortes (210 mil) provocadas pela pandemia. Os EUA têm o maior número de óbitos (408 mil). 

bolsonarismo-crise-diplomatica-china-atraso-vacina
Eduardo Bolsonaro apagou postagem em que resolveu atacar a China. Foto: Reprodução (Twitter)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email